<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI

A Internet das Coisas na América Latina

Publicado em 21/nov/2016 5:00:00

Mercado do Brasil e México se destacam, mas ainda tem muito a investir e explorar.

A Internet das Coisas na América LatinaDe acordo com dados da consultoria IDC, o valor de mercado da Internet das Coisas na América Latina é de US$ 250 milhões. Este valor é puxado especialmente por Brasil, México, Argentina e Colômbia, que juntos somam mais de 35 milhões de dispositivos conectados.


Brasil e México, inclusive, estão entre os 10 países do mundo com o maior número de conexões da IoT com 18 e 8 milhões de dispositivos online, respectivamente, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE, sua sigla em inglês).


Segundo projeções da Machina Research – consultoria global especialista em IoT e Big Data -, a América Latina terá 158,9 milhões de conexões máquina-a-máquina (M2M) até 2024, sendo que Brasil e México irão concentrar quase 64% desse mercado. Um dos fatores apontados pela pesquisa sobre a presença de Brasil e México no topo da lista latino-americana é o fato de haver infraestrutura de redes sem fio mais organizadas do que nos outros países da região, uma questão essencial para o desenvolvimento do segmento.


Pelo mundo, a projeção da Machina Research é que a Internet das Coisas cresça dos 6 bilhões de dispositivos conectados no ano passado para 27 bilhões de aparelhos em 2025: uma taxa anual composta em 16%. O relatório da consultoria afirma ainda que os rendimentos do setor vão aumentar de 750 milhões de 2015 para 3 trilhões em 2025.

 

12 previsões para o futuro da Internet of Everything


China e Estados Unidos devem liderar o mercado em número de conexões e receitas, com uma fatia de cerca de 20% para cada país no mercado mundial. Brasil ocuparia a 4ª posição e o México, a 10ª. Alguns fatores que explicam esse crescimento são a adoção de dispositivos wi-fi habilitados em banda larga, sensores conectados a esses dispositivos, o aumento da comercialização de smartphones, assim como a redução dos preços dos serviços, tornando a tecnologia mais acessível aos usuários finais.


A Internet das Coisas segue com a sua expansão impulsionada também pelas demandas de um número cada vez maior de usuários e consumidores interessados em tecnologia. Cada vez mais irão surgir eletrodomésticos, meios de transporte, roupas, trancas de porta, chuveiros conectados à Internet e a outros dispositivos, como computadores e smartphones. Na indústria e nas operações, o foco será em produtos de negócios e processos digitais.


O ambiente da IoT também se aplica na gestão de cidades inteligentes, podendo ser utilizadas para o monitoramento do abastecimento de gás, do consumo de água, pagamentos automáticos de impostos e taxas, estacionamentos inteligentes, permitindo que cidades inteligentes se adequem ao atendimento correto das demandas populacionais, podendo estimar e preparar uma infraestrutura adequada em cada setor. Para o governo, o ganho é na redução de custos e para a população, retornos sociais e ambientais serão os primeiros a serem notados.


Por outro lado, o que pode barrar o crescimento acelerado desse mercado é a falta de agilidade na implementação de tecnologias como a conexão 4G-TLE e a ignorância dos benefícios da IoT para o desenvolvimento especialmente do setor industrial. No México, por exemplo, apenas 8% da população têm acesso à 4G-LTE, enquanto que no Brasil essa fatia dobra, mas ainda é baixa, com 15,5% da participação dos usuários.


Uma pesquisa da IDC observou que entre 150 empresas entrevistadas, 93% acataram algum tipo de política de inovação, mas apenas 7% desse total incluiu IoT e apenas 23% disseram ser bastante familiarizadas com a nova tecnologia. É um sinal bem claro do desconhecimento das oportunidades que não estão sendo aproveitadas, e que há muito campo ainda a ser explorado e trabalhado em ambos países.

Fontes:
http://www.mediatelecom.com.mx/index.php/agencia-informativa/colaboradores/item/118975-el-internet-de-las-cosas-en-am%C3%A9rica-latina
http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2014/08/internet-das-coisas-entenda-o-conceito-e-o-que-muda-com-tecnologia.html
http://cio.com.br/gestao/2015/10/01/sete-carreiras-mais-quentes-em-de-ti-ate-2020/

Categorias: Internet of Everything, Internet das Coisas