<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
comstor-logo.png
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • 11 dicas de Big Data para Pequenas e Médias empresas
  • A Cisco e a Internet de todas as Coisas
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • 11 dicas de Big Data para Pequenas e Médias empresas
  • A Cisco e a Internet de todas as Coisas

Arquiteturas Digitais de Redes e as novas aplicações nos negócios

Publicado em 7/ago/2017 5:00:00

Entenda como implantar plataformas DNA para beneficiar empresas.

Arquiteturas Digitais de Redes e as novas aplicações nos negócios

Cada vez mais as empresas precisam estar preparadas para ingressar nos processos de transformação digital que se colocam como tendência de mercado sem, para tanto, perder o foco nos negócios. Assim, muitas organizações têm investido em  novas ferramentas e serviços, entre elas as plataformas DNA (Digital Network Architecture ou Arquiteturas Digitais de Redes), que oferecem as bases para maior inovação e otimização nos negócios com o benefício da redução de riscos.

 

Os processos de digitalização e virtualização vêm causando impactos profundos nas formas de se fazer negócio, transferindo toda a realidade de transações, captação de clientes e troca de informações, dados e documentações para o ambiente virtual.

 

Até muito pouco tempo atrás, as redes corporativas eram projetadas com o principal objetivo de fornecer conectividade rápida e confiável. No entanto, as mais recentes mudanças no cenário, com a inserção cada vez mais enraizada da mobilidade, o aumento do uso de dispositivos de Internet das Coisas (IoT) e com as aplicações em nuvem, estão lutando para combater ameaças virtuais mais sofisticadas.

 

Essa nova realidade e as preocupações com segurança têm, cada vez mais, chamado a atenção para processos de virtualização e digitalização dos negócios.

 

Como afirma Rob Soderbery, vice-presidente sênior de produtos e soluções de Enterprise da Cisco, “a própria natureza dos negócios digitais gera novas demandas para a rede e, por sua vez, a rede é o que possibilita os negócios digitais. A principal informação é que os negócios digitais estão acontecendo agora nas bordas das empresas, tanto no mundo físico quanto na nuvem e na web.”

 

Em decorrência dessas novas demandas, diversas organizações, em diferentes setores da economia, começam a se adequar e a apostar na transformação digital como diferencial competitivo, aproveitando as novas oportunidades de mercado que, segundo estimativas da IDC, devem render cerca de 2,1 bilhões de dólares até 2019.

 

No entanto, buscar essa transformação no ambiente empresarial depende, mais do que de conectividade, do apoio de redes digitais que sejam capazes de facilitar a inovação, oferecer maior visibilidade e conhecimento, melhorando a experiência dos usuários.

 

New Call-to-action

 

Para isso, o mercado tem apresentado uma série de novas ferramentas, destacando-se entre elas as Ferramentas de Avaliação de Rede, ou Network Assessment Tools, focadas em oferecer aos clientes maior entendimento sobre o caminho a ser percorrido para que a transformação digital possa beneficiar os negócios.

 

E é entre essas ferramentas que encontramos as plataformas DNA, oferecendo roadmaps e roteiros para a digitalização e virtualização, esclarecendo benefícios imediatos da automação e garantindo a confiança e segurança das redes corporativas, tornando possível que os negócios se desenvolvam digitalmente.

 

Existem cinco princípios básicos que devem ser buscados em um software de rede para o estabelecimento de DNAs:

 

1 - Virtualização completa para que a empresa possa executar qualquer tipo de serviço, sem restrições em decorrência de localização e de plataformas subjacentes (físicas ou virtuais, no local ou na nuvem).

 

2 - Maior automação, facilitando a implantação, gerenciamento e manutenção de redes e serviços.

 

3 - Análise ampliada de processos, garantindo maior compreensão e visualização das operações de rede, da infraestrutura de TI e do negócio de forma geral, possibilitando maior acesso aos dados oferecidos pela rede.

 

4 - Gerenciamento de serviços baseados em nuvem, para que ocorra uma unificação de políticas e coordenação de redes, tornando os processos mais ágeis sem que a segurança seja comprometida.

 

5 - Personalizável, com camadas abertas, extensíveis e programáveis, oferecendo maior sustentação do ecossistema de aplicativos para a rede e integrando tecnologias APIs e plataformas de desenvolvedores.

 

A eficiência desses princípios e, consequentemente, das transformações e processos que se pretende implantar nas empresas depende de bases sólidas, devendo considerar três elementos fundamentais como pilares para todas as ações e estruturas selecionadas:

 

  • Inovar mais rápido;

 

  • Otimizar o uso de recursos;

 

  • Reduzir os riscos.

 

Desta forma, percebemos que Arquiteturas Digitais de Rede, ou Digital Network Architectures, colocam os resultados dos negócios como foco principal, buscando na automatização e na inteligência digital bases mais firmes para a inserção de empresas no processo de transformação digital visto atualmente.

 

Fontes:

https://engage2demand.cisco.com/LP=5578?ccid=cc000008&dtid=oemzzz000233&ecid=2902&oid=ifgen000279&elqTrackId=903fbe880bb5485e9f9a78b7890d3889&elq=5ad10989c5f545399a75e88275009fcc&elqaid=7105&elqat=1&elqCampaignId=2902
http://convergecom.com.br/tiinside/services/23/02/2017/nova-plataforma-ajuda-empresas-se-prepararem-para-transformacao-digital/
https://americas.thecisconetwork.com/site/content/lang/pt/id/5467
http://www.cisco.com/c/pt_pt/about/press/news-archive-2016/20160303.html

 

Categorias: Redes, Soluções de Rede