<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI

As melhores práticas de migração de dados para Nuvem

Publicado em 8/nov/2016 5:00:00

O planejamento é o ponto principal, porém fazer uma análise real das necessidades da empresa é fundamental.

As melhores práticas de migração de dados para Nuvem

Pesquisa mundial realizada pela F5 Networks aponta que neste ano, 81% das empresas pretendem migrar suas operações para soluções de Nuvem Híbrida, apontando forte tendência para esse tipo de armazenamento, sendo que 20% deles vão migrar mais da metade de seus dados para Cloud.

 

A Computação em Nuvem trouxe para muitas empresas uma solução inteligente, econômica, móvel e segura para o armazenamento de dados, sendo muitos desses dados, estratégicos para os seus negócios. Porém, todos eles podem ser migrados para a Nuvem?

 

Vamos discutir algumas das melhores práticas nesta questão para que a decisão de quais tipos de informações que podem ser armazenados, não seja feita de forma arbitrária. A premissa, porém, é o planejamento.

Conhecer os tipos de Nuvens oferecidos, os fornecedores e seus contratos, saber exatamente quais são as cargas de trabalho que serão transferidas e mesmo o perfil da equipe que vai atuar na manutenção dessa Nuvem, são essenciais.

 

Outras práticas que podemos destacar são:

 

1- O aplicativo ou carga de trabalho é autônomo ou tem muitas dependências?

Se um sistema é relacionado com outro, depende de informações de outros aplicativos para funcionar, o ideal é que continue no hardware físico para diminuir especialmente as discrepâncias que podem ser causadas pela diferença de comunicação entre os servidores.  

 

2- Quem utiliza essa carga de trabalho?

São clientes, fornecedores ou mesmo equipe de vendas, por exemplo, que não trabalha exatamente no escritório? Neste caso, o melhor é migrar a carga de trabalho para a Nuvem para que esses usuários tenham o máximo proveito das informações, possam atualizar, compartilhar e agilizar suas atividades tendo os dados sempre disponíveis.

 

Os 4 pilares para otimizar a prática de Receita Recorrente na sua Revenda de TI

 

3- Qual o nível de conhecimento da equipe de TI com questões de segurança na Nuvem?

A questão de segurança deve ser levada muito a sério. Se é a primeira vez que a empresa está migrando suas cargas para Nuvem, o ideal seria começar por dados menos complexos e menos confidenciais, especialmente para que a equipe adquira experiência na nova plataforma, crie processos de monitoramento e possa passar confiança de que está tudo muito bem guardado.

 

 

4- As cargas de trabalho são variáveis?

Se não é possível prever o tráfego em determinadas cargas e ao longo do dia variam muito os acessos, melhor armazenar em Nuvem, que contam com muitas mais ferramentas capazes de receberem essa demanda.

 

 

5- O custo-benefício vale a pena?

Uma das características da Computação em Nuvem é a possibilidade de fazer um investimento flexível, pagando apenas pelo espaço que se utiliza, aumentando ou diminuindo esse armazém. Em alguns momentos, porém, pode não valer a pena manter uma Nuvem. O contrato (SLA) com o provedor pode receber reajustes ou passar por mudanças e pode ficar mais barato voltar para um local físico.

 

6- Quais cargas podem ser armazenadas em Nuvem Pública?

Ter um mapa desses dados, sabendo diferenciá-los dos que vão para a Nuvem Privada, facilita o controle de investimentos. Estamos vivenciando uma TI híbrida, com diferentes cargas nesses tipos de Nuvem, pois apesar de ser uma tendência crescente, a infraestrutura de TI local não tem previsão de mudanças muito bruscas nos próximos anos.


Em resumo, a migração deve ser considerada a partir do momento em que os requisitos de um aplicativo mudarem. Com essa mudança, é possível que a empresa esteja prestes a ficar sem espaço e recursos em sua infraestrutura física. Ao invés de investir em outro hardware local, seria mais econômico aproveitar a escalabilidade da Nuvem, pensando em toda infraestrutura que será necessária para acomodar esse novo servidor, suas necessidades de atualização e manutenção.

Fontes:
http://cio.com.br/tecnologia/2016/09/01/o-que-pode-e-o-que-nao-pode-ser-migrado-para-a-nuvem/
http://cio.com.br/tecnologia/2013/06/25/dez-melhores-praticas-para-a-nuvem/
http://computerworld.com.br/81-das-empresas-planejam-adotar-cloud-hibrida-em-2016

Categorias: Cloud Computing