<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI

Tendências e desafios da tecnologia no apoio à aprendizagem

Publicado em 20/out/2014 8:00:00

A principal tendência é a integração das mídias sociais na relação com os alunos.

141020 MAN ©goodluz Aprendizagem Blog

Aliar o uso da tecnologia na aprendizagem de um aluno é um desafio constante para as empresas de TI que trabalham para apoiar a educação. A relação entre educação e tecnologia está mudando. Em vez da tecnologia promover a mudança na educação e ela dar o exemplo, há um crescente reconhecimento de que a relação entre os dois é uma troca dos dois lados e que a evolução da tecnologia e a mudança educacional acontecem ao mesmo tempo.

A NMC (New Media Consortium) publicou em fevereiro de 2014 o relatório sobre o uso da tecnologia no ensino superior que apontou as principais tendências, tecnologias emergentes e desafios do setor em três prazos distintos: menos que um ano, de dois a três anos, e de quatro a cinco anos. Para a confecção do documento que aponta tendências nesta relação, no final de 2013, especialistas de treze países diferentes passaram três meses coletando pesquisas, artigos científicos, notícias, publicações em blogs e projetos para compilar informações e tentar antever as principais mudanças nos processos educativos.

De imediato, a principal tendência será a integração das mídias sociais no ensino superior. Essa mudança deverá ocorrer nos próximos dois anos.  De acordo com o relatório, as vantagens do uso dessas plataformas estão no diálogo mais informal entre alunos, entre professores, entre professores e alunos e até entre futuros alunos e as instituições. Além de estimularem o compartilhamento de histórias e experiências sobre os assuntos abordados em sala de aula. Pesquisas apontam que 2,7 bilhões de pessoas, quase 40% da população mundial, usam essas plataformas.

Outra expectativa para um futuro próximo é a integração entre aprendizagem online, ensino híbrido e colaborativo. Ampliar o universo educacional não será tarefa fácil, mas é preciso dar o primeiro passo. A criação dos cursos a distância (EAD) pode ser considerada um avanço ou até mesmo o início do desafio de incluir a TI na educação. Na EAD são utilizadas plataformas online que tornam-se verdadeiras facilitadoras dos trabalhos em grupo, aprimorando cada vez mais o ambiente de aprendizagem. Segundo o estudo elaborado pela NMC, as plataformas vêm melhorando a comunicação entre os alunos e a execução de projetos mais conectados com a realidade do trabalho.

Outra tendência é a Quantified Self (“quantificar você mesmo”) que deverá ser incluída na educação, no máximo em até cinco anos. A Quantified Self faz o uso de dispositivos portáteis, como relógios e óculos, que são projetados para coletar informações dos usuários e criar um banco de dados de parâmetros individuais. Com essa tendência, a pessoa poderá acompanhar e acumular dados sobre elas mesmas e sobre o funcionamento do seu corpo.

Além disso, ao monitorar hábitos de leitura ou a postura do aluno em uma aula, seria possível usar este conjunto de dados para mudar e melhorar os resultados da aprendizagem. Essa tendência pode parecer que vai de encontro com a questão do uso do celular na sala de aula. Mas, analisando melhor a situação, se não se pode vencer os alunos que insistem em usar celular na sala de aula, o melhor é juntar-se a eles.

Durante o British Education and Training Technology (BETT) 2014, realizado na Inglaterra, o uso de celulares em salas de aula ganhou uma nova perspectiva. Ao invés de mandar que os alunos desliguem seus telefones, os professores podem usá-los como ferramentas durante o aprendizado, especialmente com relação à busca de conteúdo. A exigência hoje não é para que o aluno saiba de tudo, mas sim que saiba como encontrar informação, filtrá-la por relevância e aplicá-la.

Com a TI na educação será possível criar as Assistentes Virtuais, ou seja, a evolução de interfaces (como celulares, computadores e TVs) controladas a partir de comandos de voz e gestos.

A tecnologia aplicada à educação facilitará o diálogo entre alunos e professores e até mesmo entre futuros alunos e as instituições. A junção da educação com a tecnologia estimula o aprendizado e incentiva a continuidade dos estudos. Como tudo é monitorado, é possível acompanhar o desenvolvimento do aluno mapeando os acessos aos sistemas, especialmente na EAD e ensino que mescla o presencial com o online. Essa evolução no sistema educacional faz com que o ensino deixe de ser uma alternativa apenas presencial. A opção a distância torna-se uma nova ferramenta de ensino personalizado.

 

New Call-to-Action

 

Fontes:

http://blackboard.grupoa.com.br/relatorio-aponta-tendencias-para-o-ensino-superior/

http://www.educause.edu/library/learning-analytics

http://www.desafiosdaeducacao.com.br/tendencias-para-ensino-futuro-tecnologia-servico-da-educacao/

Categorias: Tecnologia na Educação