<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • 11 dicas de Big Data para Pequenas e Médias empresas
  • A Cisco e a Internet de todas as Coisas
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • 11 dicas de Big Data para Pequenas e Médias empresas
  • A Cisco e a Internet de todas as Coisas

Gastos globais com Nuvem Pública vão duplicar até 2020

Publicado em 7/abr/2017 5:00:00

Durante o período 2015-2020, os gastos com a Nuvem Pública terão um CAGR de 21,5%.

Gastos globais com Nuvem Pública vão duplicar até 2020

 

A migração dos recursos de TI para a Nuvem Pública continua em ritmo acelerado. Os gastos mundiais com serviços e infraestrutura em Nuvem Pública alcançarão US$ 122,5 bilhões em 2017 e duplicarão esse valor até 2020, chegando a US$ 203,4 bilhões. Os dados fazem parte do Guia de Gastos de Serviços de Nuvem Pública, divulgado pela International Data Corporation (IDC), o qual aponta que durante o período de previsão 2015-2020, os gastos com a Nuvem Pública terão uma taxa de crescimento anual composta de 21,5%, representado quase sete vezes a taxa de crescimento global de gastos com TI.

 

O relatório aponta também que também que o Software como Serviço (SaaS) continuará sendo o tipo de Computação em Nuvem dominante, recebendo quase ⅔ de todos os gastos em Nuvem Pública em 2017 e cerca de 60% em 2020. No entanto, os investimentos em IaaS e o PaaS irão crescer mais rapidamente.

 

No entanto, para manter todos esses serviços em Nuvem, uma preocupação desponta entre os executivos de negócios de TI. Uma pesquisa nesse sentido, dirigida pela empresa global de tecnologia Unisys realizada em 2016 nos EUA, mostrou que 42% dos entrevistados acreditam que a segurança é o aspecto mais desafiador de gerenciamento de Nuvem. Já em outro estudo, realizado pelo Ponemon Institute, 54% dos executivos de TI que participaram da pesquisa avaliaram que suas empresas não têm uma abordagem proativa para o gerenciamento de segurança em ambientes de Nuvem.

 

Os 4 pilares para otimizar a prática de Receita Recorrente na sua Revenda de TI

 

Novo Ambiente, novos riscos

O rápido e crescente movimento de migração para as nuvens acontece, sobretudo, porque as organizações dependem cada vez mais da Nuvem para distribuir de forma flexível os recursos de TI com menores custos e maior rapidez. No entanto, esses benefícios têm um grande potencial de custo, uma vez que esse novo ambiente traz riscos de segurança associados a ele.

 

Um exemplo são a família de ameaças conhecidas como bugbears, um antigo legado dos ambientes de computação, como violações de dados, ataques de phishing, e ransomware, que são agravados por novas ameaças potenciais na Nuvem, uma vez que criam oportunidades de vulnerabilidade nos sistemas para executar ataques DDoS.

 

Essas novas possibilidades de ameaças são resultado das diferenças entre as Nuvens Públicas e os ambientes legados de computação. Isso acontece porque, ao contrário das redes convencionais, a Nuvem Pública não é inteiramente controlada pelo proprietário de sistemas de informática. Além disso, trata-se de um recurso compartilhado, acessado sob demanda por usuários de múltiplas regiões e organizações e com o acesso potencialmente ilimitado de um pool de usuários, dispositivos e terminais, o que dificulta o monitoramento da rede como um todo. Outro fator de risco é a grande quantidade de dados armazenados em servidores em Nuvem, que as tornam um alvo bastante atraente e acabam por estimular hackers a desenvolver novas técnicas para acessar dados e aplicativos armazenados na Nuvem Pública.

 

Neste contexto, os profissionais encarregados da segurança de suas organizações deparam-se com o incrível desafio de manter a segurança na Nuvem Pública. Uma das maiores preocupações dos líderes deste setor é a falta de visibilidade, a dificuldade de ver, em tempo real, o que os ativos dentro do seu VPC (virtual private cloud) estão fazendo. Outro desafio, como consequência, é o monitoramento atividades externas que possam estar tentando comprometer seus ativos na Nuvem.

 

Para novas ameaças, abordagens diferentes

O esperado diante desse novo cenário de TI é que provedores de soluções de segurança e provedores de Nuvem estão inovando para atender às novas ameaças. Por isso, para reforçar a segurança de ambientes em Nuvem, há uma adaptação de ferramentas tradicionais de redes convencionais, como firewalls, sistemas de IDS / IPS e extração para torná-los úteis para os clientes que estão atualmente ativos em Nuvens Públicas. Os processos que usam criptografia e token também estão sendo adaptados para o novo ambiente.

 

No entanto, os provedores de Nuvem Pública desenvolveram e implementaram uma ampla gama de serviços de "cloud-native", como tarefas automatizadas que são indispensáveis para operar com segurança na Nuvem Pública. Os serviços compõem uma "visibilidade da camada" abrangente, permitindo a visibilidade para uso da conta, trazendo também informações sobre o comportamento do usuário, gerenciamento de infraestrutura, atividade de serviço e atividade da rede.

 

Como resultado deste processo, grandes provedores defendem um modelo de responsabilidade compartilhada para uma segurança na Nuvem Pública: enquanto a infraestrutura de Nuvem Pública fornece uma grande base para a segurança, continua a ser de responsabilidade do usuário alavancar esses serviços para criar e operar uma aplicação segura dentro da Nuvem Pública.

 

A modelagem endpoint

A necessidade de visibilidade, de ter e manter uma compreensão detalhada de como os usuários, aplicativos e recursos de TI estão se comportando - localmente, remotamente, ou na Nuvem Pública - exige um novo tipo de solução. Trata-se da modelagem endpoint,  sistema de detecção de ameaças avançadas, que complementa o portfólio de segurança de uma organização. Com este modelo, é possível descobrir automaticamente cada dispositivo conectado à rede bem como a criação de um modelo de comportamento usual de cada dispositivo, baseado em software. O modelo ainda monitora continuamente o comportamento do dispositivo ao longo do tempo, à procura de eventuais desvios do modelo, e, quando é detectada alguma anormalidade, são gerados alertas em tempo real.

 

A modelagem endpoint, portanto, vem fornecer um maior grau de visibilidade sobre o que está acontecendo em uma rede, em tempo real. Ele pode descobrir problemas ou ameaças previamente desconhecido, além de acompanhar o comportamento dos usuários e dispositivos que utilizam criptografia.

 

Fontes:

 

https://cloudtweaks.com/2017/03/global-public-cloud-spending-double/
http://www.bit.pt/servicos-na-nuvem-publica-mais-que-duplicam-ate-2020/
http://www.itforum365.com.br/tecnologias/cloud-computing/nuvem-publica-gastos-mundiais-2017  

 

Categorias: Cloud Computing