<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI

Nuvem Híbrida vai se popularizar no meio corporativo em 2017

Publicado em 24/abr/2017 5:00:00

Veja a movimentação das organizações em torno desse modelo de Cloud e qual é o papel da revenda de TI.

Nuvem Híbrida vai se popularizar no meio corporativo em 2017

Temos falado sobre a Cloud Computing já há alguns anos e, embora possamos olhar para trás em 2016 como um ano de crescente adoção da Nuvem empresarial, 2017 será o ano em que as Nuvens Híbridas realmente entrarão no mainstream. A Nuvem não é mais opcional para as empresas que desejam permanecer competitivas. Com as empresas exigindo cada vez mais agilidade de suas funções de TI e com o crescimento dos dados continuando a explodir em um ritmo vigoroso, mais e mais departamentos de TI estão procurando uma combinação de Nuvem Privada e Pública que consiga suprir as necessidades da empresa.

 

Segundo pesquisas de 2016, 38% das cargas de trabalho hoje existem em uma Nuvem Privada e 28% em uma Nuvem Pública. E as estimativas são que estes números crescerão a taxas de 7% e 18%, respectivamente, este ano. Mas como as empresas vão transformar a forma como utilizam a Nuvem Híbrida em 2017? E como as revendas de TI podem ajudar as organizações a implementar essas infraestruturas?

 

Adoção da Nuvem para continuidade de negócios e recuperação de desastres

Até recentemente, existiam dois inibidores significativos no uso de Nuvens Públicas compartilhadas para a recuperação de desastres. O primeiro era a preocupação com a localização de dados e o segundo foi a falta de ferramentas para gerenciar efetivamente a migração de cargas de trabalho de um Data Center primário para a Nuvem. No entanto, grandes provedores de serviços em Nuvem agora têm abordado os problemas de localização de dados em várias jurisdições por meio da construção de instalações locais. E vários fornecedores agora oferecem conjuntos de ferramentas para automatizar a replicação de dados e orquestrar a migração da carga de trabalho. Isso permite que empresas de todos os tamanhos, mas particularmente as de médio porte, considerem a Nuvem como uma alternativa viável para a manutenção de sua própria operação de recuperação de desastres dedicada, ou para estender a sua operação a uma gama mais alargada de cargas de trabalho de produção, reduzindo tanto o risco como o custo.

 

Os 4 pilares para otimizar a prática de Receita Recorrente na sua Revenda de TI

 

O Início do fim do armazenamento em fita

A introdução de dispositivos de armazenamento em disco deduplicados já viu unidades de fita marginalizadas em muitos Data Centers corporativos, com armazenamento em fita usado apenas para retenção de dados de backup a longo prazo. No entanto, em 2017, as empresas vão finalmente começar a eliminar a fita, mesmo para o arquivamento a longo prazo. As empresas agora voltarão para a Nuvem para retenção de dados a longo prazo. Isso será impulsionado pela melhoria do mercado de armazenamento em Nuvem, pelo aumento da confiança na segurança de dados e pelo amadurecimento das tecnologias de deduplicação para a Nuvem.

 

O gerenciamento de fitas ainda custa milhões aos negócios a cada ano, especialmente no que se refere aos custos de transporte e armazenamento, bem como a manutenção de dispositivos mecânicos caros. Em 2017, veremos as empresas se libertarem do processo de armazenamento em fitas e desfrutarem de backups mais baratos e mais rápidos em Nuvem.

 

Iniciativas múltiplas para conduzir a conformidade GDPR

Em maio de 2018 veremos a introdução do Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia e as empresas deverão utilizar 2017 para se prepararem para o cumprirem. As empresas terão de ser capazes de responder a quatro perguntas desafiadoras:

 

  • Você tem visibilidade e percepção dos dados pessoais que você armazena?
  • Você pode localizar todas as informações que você possui sobre um assunto de dados?
  • Você pode fornecer esses dados para um solicitante dentro de um prazo apertado?
  • Você pode provar o que você está fazendo com esses dados e eles estão protegidos?

 

Para ser capaz de responder a estas perguntas, as empresas embarcarão em uma longa jornada de gerenciamento de dados atrasados, o que por sua vez resultará em benefícios adicionais em termos de redução de armazenamento de dados e custos de gestão.

 

Agora que experimentamos o armazenamento definido por software, é hora de implementá-lo

Como mencionado acima, 2017 verá um aumento de 18% em cargas de trabalho executadas em infraestruturas de Nuvem Privada dimensionadas. Esses novos ambientes de hiperescala exigem uma nova abordagem em escala de Nuvem para o armazenamento de dados que é mal servida pelos atuais subsistemas de armazenamento monolítico conectados a SAN.

 

Ao longo de 2016, as empresas exploraram novas abordagens, escalonadas e definidas por software para a gestão de armazenamento, e 2017 será o ano em que as organizações as colocarão em atividade. Essas soluções permitirão que as empresas aproveitem o poder do hardware - servidores, SSDs e discos rígidos - para fornecer serviços de armazenamento de alto desempenho com base em políticas bem estruturadas e com ótimo custo-benefício.



Plataformas de Big Data estão prestes a se tornar repositórios populares de dados das empresas

Em um movimento surpreendente em 2016, um número enorme de organizações buscou informações sobre como proteger seus repositórios de Big Data baseados em Hadoop. Parece que, com as empresas executando mais análise e fazendo o upload de cada vez mais dados para essas plataformas, essas plataformas agora trazem tanto valor para a organização que eles são simplesmente muito valiosos para serem perdidos. Na verdade, essas grandes plataformas de dados agora estão funcionando como repositórios de dados mestre da empresa e se os dados são perdidos ou corrompidos, não é simplesmente um problema de carregar os dados novamente, é uma questão crítica para a empresa.

 

As cargas de trabalho críticas na Nuvem devem duplicar em 2017 e 2018, segundo especialistas. Isso significa que o movimento em direção à Nuvem não mostra sinais de diminuição. Os volumes de dados ainda estão crescendo exponencialmente, e isso não vai diminuir - é um problema que simplesmente não pode ser resolvido sem a ajuda da Nuvem. Com uma escolha cada vez maior de provedores de Cloud, maior utilização dela para recuperação de dados e aceleração de armazenamento definido por software, é certo que, como olhamos para trás no final de 2017, a paisagem da Cloud Computing será muito diferente agora.

 

Fontes:

 

https://betanews.com/2017/02/16/hybrid-cloud-mainstream-2017/
http://www.cloudcomputingintelligence.com/searchtag/item/3336-cisco-accelerates-hybrid-cloud-adoption-with-integrated-system-for-microsoft-azure-stack

 

 

Categorias: Cloud Computing