<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI

Os impactos sociais do desenvolvimento da Inteligência Artificial

Publicado em 3/jan/2018 5:00:00

Entenda como o avanço da IA tem interferido em diferentes setores, ameaçando, principalmente, os empregos.

 

Os impactos sociais do desenvolvimento da Inteligência Artificial

Inteligência Artificial (IA) permite que máquinas tomem decisões próprias a partir da programações de seus algoritmos e aprendizados padrões. Pode ser uma facilidade para o contexto atual em que são gerados milhões de dados por segundo, mas, ao mesmo tempo, pode causar diversos problemas se não for aplicada por meio da programação correta e consciente,respeitando as leis e os direitos dos humanos.

 

Existem diversos casos que servem de exemplo e alerta sobre a necessidade de fiscalizar de perto a aplicação da IA. Adolescentes já foram marcados como terroristas em decorrência do comportamento de navegação e palavras que utilizam em buscas e interações na Internet. Na medicina, vemos pacientes sendo submetidos à cirurgias com base prognósticos de doenças que poderão desenvolver um dia, desconsiderando que elas podem nunca surgir.

 

Focando especificamente no mercado de trabalho, vemos processos de contratação com base em análises de perfil computadorizadas, identificando aptidões técnica, mas desconsiderando aptidões pessoais, morais e éticas para trabalharem em equipe.

 

Um dos exemplos de maior destaque é o dos professores de Houston, EUA, que terminou em processo judicial.

 

Desde 2011 o rendimento desses professores é avaliado pelo EVAAS (Educational Value Added Assessment System - Sistema de Avaliação de Valor Agregado), criado pelo SAS Institute. O sistema rastreia o desempenho dos professores com um algoritmo proprietário que compara os resultados dos testes de seus alunos com a média estadual para alunos dessa série ou curso.

 

Este ano, porém, alguns professores sentiram que o sistema fazia avaliações equivocadas prejudiciais ao processo de ensino mas não tinham como verificar se o programa era justo ou falho. Resolveram então questionar o processo de avaliação do software juridicamente, defendendo que tais exames obrigam os professores a reduzir seus planos de aula, adaptando-os às perguntas dos testes estaduais, incentivando a memorização de conteúdo ao invés de pensamento crítico em estudantes.

 

O juiz federal responsável decidiu em favor dos professores, considerando o uso do programa como forma de violar os direitos civis dos professores, determinando que o distrito escolar deveria pagar os honorários devidos aos professores com avaliações insatisfatórias no sistema e autorizando a substituição do EVAAS por outro programa de avaliação de desempenho.

A Cisco e a Internet de todas as coisas 

No entanto, mesmo com os desafios acima apresentados, a Inteligência Artificial consegue contribuir com a digitalização das empresas. Para as companhias, esta tecnologia é altamente positiva, uma vez que os sistemas cognitivos permitem reter os milhões de dados gerados pelo negócio, seus clientes, fornecedores e parceiros, classificá-los e oferecer de forma editada aos que responsáveis por analisar e transformar os dados em informações.

 

Postos de trabalhos em risco

 

O principal impacto social da AI provavelmente seja a substituição de trabalhadores por máquinas, seja no processo produtivo das Indústrias 4.0 ou na ponta da cadeia, como o atendimento ao cliente, por exemplo.

 

Pesquisadores da Universidade de Oxford fizeram um levantamento mundial analisando 702 ocupações e suas chances de automatização nos próximos 20 anos. Foi criada uma escala considerando os pontos fracos dos robôs e quais profissões exigem um ser humano e não uma máquina, dependendo da capacidade de desenvolver soluções criativas, das interações sociais e habilidade de negociação.

 

No resultado desta pesquisa, a profissão com 99% de chances de ser extinta é a do operador de telemarketing. Outras ocupações que merecem destaque são em relação às chances de serem automatizadas:

 

  • Contador de impostos, com 98,7%;
  • Analista de crédito, 97,9%;
  • Motorista de caminhão 97,8%;
  • Caixa do comércio varejista, 97,1%;
  • Vendedor do comércio varejista, 92,3%.

 

Todas essas atividades já começam a testar robôs, algumas apresentando funcionamento com resultados satisfatórios para as empresas investidoras.

 

De acordo com um levantamento da McKinsey Global Institute, estima-se que a China perca cerca de 395 milhões postos de trabalhos para as máquinas nos próximos 3 anos. As pesquisas apontam, ainda, que, neste mesmo período de tempo, a Índia deve perder 235 milhões, enquanto nos EUA serão cerca de 60 milhões de empregos extintos.

 

Por outro lado, especialistas que defendem o uso da Inteligência Artificial afirmam que a tecnologia não substitui as pessoas, mas aumenta a sua capacidade de fazer melhor o trabalho ao expandir o seu campo cognitivo. Na verdade, os profissionais que acompanharem os desenvolvimentos tecnológicos e tiverem facilidade de atuarem em consonância com os robôs, terão mais chances de se manterem no mercado.

 

Setor em franco crescimento

 

De acordo com levantamento da IDC, empresas que desenvolvem tecnologia relacionada à Inteligência Artificial devem ter um aumento de receita exponencial até 2020. Em 2016, empresas do setor apresentaram rendimento de 8 bilhões de dólares e a previsão para 2020 é que este número salte para 47 bilhões.

 

Estudos ainda apontam que desde 2012, o financiamento a projetos em AI aumentou 8,5 vezes, sendo que o crescimento anual em investimentos está na casa dos 55%, sinal de que esta tecnologia é um caminho sem volta, especialmente para o mundo corporativo, já que as empresas querem usufruir de seus benefícios para o desenvolvimento de seus negócios.

 

 

Fontes:

https://www.theguardian.com/science/2017/nov/05/computer-says-no-why-making-ais-fair-accountable-and-transparent-is-crucial

https://www.theguardian.com/science/2017/nov/03/why-we-cant-leave-ai-in-the-hands-of-big-tech

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/12/economia/1494601971_737485.html

 

Categorias: Inteligência Artificial, Automatização, Impacto Social, Robôs, Emprego, IA