<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora

PMEs buscam inovação para enfrentar instabilidades econômicas

Publicado em 1/mar/2018 5:00:00

Introduzir novidades nos negócios das PMEs pode ser uma das principais formas de desviar de crises financeiras e garantir o crescimento dos negócios.

 

PMEs buscam inovação para enfrentar instabilidades econômicas

Pequenas e médias empresas (PMEs) têm muitas possibilidades de se desenvolverem por meio da inovação. Para alcançar performances ótimas em seus processos e desempenho de mercado, porém, é obrigatório o uso de tecnologias que permitam potencializar os negócios, tornando-os mais eficientes e produtivos.

 

Conceito de Pequenas e Médias empresas

 

São consideradas pequenas empresas as que possuem de 10 a 49 funcionários no setor de comércio e serviços, e entre 20 e 99 no setor industrial, tendo receita bruta anual superior a R$ 1,2 milhão e inferior a R$ 10,5 milhões, conforme estabeleceu o BNDES, baseado nos parâmetros do Mercosul, para conceder créditos. Pela Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, o faturamento dos pequenos negócios é considerado entre R$ 360 mil à R$ 3,6 milhões.

 

Já as médias empresas têm entre 100 e 499 empregados no setor industrial e entre 50 e 99 no setor de comércio e serviços, com receita bruta anual entre US$ 1,5 milhão e US$ 7 milhões, como estabelecido pelos parâmetros do Mercosul.

 

Inovação é prioridade dos investimentos das PMEs até 2020

 

Uma pesquisa da Desenvolve SP com PMEs paulistas aponta que 55% delas pretendem investir em algum tipo de inovação até 2020. Seja a inserção de ferramentas tecnológicas ou ajustes nos processos internos, os empresários acreditam que fazer diferente gerando corte de custos é uma das únicas saídas para enfrentarem os momentos de instabilidades política e econômica.

14 dicas de marketing para revendas de TI

As respostas dos entrevistados ainda destacaram que este investimento também deve colaborar para que novos mercados sejam alcançados, para aumentar a competitividade, o faturamento e o rendimento.

 

Conquistar esses resultados depende de inovação, conceito definido pelo Sebrae, instituição que orienta e capacita empresários de micro e pequenas empresas em todo Brasil, como a ação de introduzir novidades, fazer renovações.

 

Essa inovação pode ser de produtos, criando algo novo a partir da necessidade e demanda dos consumidores, de processos, alterando algum fluxo de trabalho para diminuir desperdício de materiais, de marketing, criando uma nova roupagem para algum produto que já faz parte do portfólio da empresa, ou ainda de energia elétrica, de tempo e de mão de obra.

 

Inovações podem ser, também, tecnológicas, acrescentando ferramentas na empresa que vão transformar o modelo de negócios. Esses instrumentos ajudam também no aumento de produtividade da equipe, já que a automatização de inúmeros processos libera os colaboradores de trabalhos manuais repetitivos.

 

Inovações tecnológicas para o varejo

 

No setor de varejo, as possibilidades são inúmeras. Uma delas, por exemplo, é uma câmera de segurança inteligente que, além de sua função convencional, é capaz de fazer leitura facial de todas as pessoas que entram no estabelecimento.

 

A partir de um software é possível contabilizar a quantidade de pessoas que entram, quais os horários de maior movimento, quais os setores mais chamativos, quantas vezes em determinado período um mesmo cliente visita a loja e, até mesmo, marcar pessoas que danificaram ou roubaram algum produto, enviando um alerta para o celular do gerente da loja para que se atente durante o atendimento.

 

A tecnologia pode ser usada também para a gestão do estoque. Com o advento da Internet das Coisas e a possibilidade de conectar os objetos, sensores podem ser instalados nos produtos para contabilizar suas entradas e saídas, cores e tamanhos mais procurados, peças mais vendidas e o valor médio gasto por cada cliente. Tudo de forma automática, sem necessidade de fechar a loja um dia sequer para balanço.

 

As possibilidades oferecidas pelas tecnologias são grandes, assim como a quantidade de ferramentas disponibilizadas no mercado por diferentes fornecedores. O importante é pesquisar as opções existentes, sejam hardwares ou softwares, e investir nas que mais se adequam à necessidade do estabelecimento.

 

Categorias: PMEs