<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI

Realidade Virtual e Aumentada e sua inserção nos negócios

Publicado em 29/nov/2017 5:00:00

Entenda as principais características e diferenças entre essa novas vertentes tecnológicas para torná-las um diferencial de mercado.

 

Realidade Virtual e Aumentada e sua inserção nos negócios

2016 foi definitivamente o ano da introdução da realidade virtual (VR) na realidade humana. Ainda que comercialização de gadgets VR ainda não tenha se popularizado totalmente, já existem algumas tecnologias que trabalham com esse conceito e com a ideia de realidade aumentada (RA), outra tecnologia fascinante que promete modificar bastante a sociedade.

 

Apesar do início relativamente lento, o mercado de realidade virtual tem uma estimativa de crescimento com valor projetado em $4,9 bilhões de dólares. A expectativa é que em 2020, esse mercado tenha alcançado um valor de US$37,7 bilhões, crescimento de 20 vezes o valor de mercado em 2016.

 

Os números, na verdade, são ainda mais animadores quando falamos das receitas mundiais de VR e AR: elas vão crescer a um índice maior que 100% ao ano até 2021, segundo pesquisa da IDC. Os gastos totais em serviços e produtos do setor devem alcançar cerca de US$ 11,4 bilhões ainda em 2017 e podem subir para US$ 215 bilhões ao fim do período, uma taxa de crescimento anual composta de 113% ao longo dos próximos 4 anos.

 

Aproveitar e vender realidades Aumentada e Virtual exige conhecê-las

 

A realidade aumentada exibe campos e cenários virtuais com base no espaço do usuário. Esses espaços são processados com a ajuda de uma câmera, como a de um smartphone. Um ótimo exemplo deste conceito é o jogo Pokémon Go que se utiliza da câmera de um dispositivo móvel - no caso o smartphone - para criar imagens digitais em uma imagem real, fazendo parecer que o Pokémon realmente existe, quando na verdade é só um “aumento da realidade”.

 

No caso da realidade virtual, o conceito é um pouco mais complexo. Trata-se da criação de um ambiente totalmente novo, que transporta o usuário para outra realidade - a virtual - levando-o, assim, para outros cenários e espaços, sendo uma forma oferecer a ele uma experiência totalmente imersiva.

 

Esse tipo de construção é bastante interessante, pois o cérebro entende que a imagem é parte da nova realidade, ou seja, é possível sentir todas as sensações, angústias, alegrias e medos que sentimos e temos no mundo real.

Phishings Direcionados: como proteger sua empresa dessa ameaça

Essa tecnologia, ao contrário do exemplo do Pokémon Go, não é projetada para mapear imagens em movimento. O usuário, neste caso, verá uma imagem criada especificamente para o ambiente virtual, ou seja, não será uma inserção de elementos virtuais no mundo real, mas uma construção 100% virtual.

 

Os óculos de realidade virtual garantem que os olhos humanos possam ter uma percepção real dessas produções em tamanho natural e de forma imersiva. Logo, conseguimos ver a realidade virtual tão certo como se estivéssemos vendo algo natural.

 

Essas tecnologias podem ser e já estão sendo aplicadas em diferentes indústrias. A realidade aumentada já pode ser experimentada no varejo, onde o melhor exemplo a ser citado é o do app de realidade aumentada da Ikea, que permite a simulação de móveis dentro da sua casa. Já a realidade virtual pode ser vista no setor da saúde, com aplicações que auxiliam médicos em operações e estudantes de residência que estão aprendendo a fazer operações cirúrgicas e podem utilizar essa tecnologia para praticar. A realidade virtual é aproveitada, ainda, para pilotos de avião em formação.

 

Apesar de serem definidos pelo uso de elementos virtuais no dia a dia, os dois conceitos são bastante diferentes. Enquanto a realidade aumentada fornece informações de forma projetada e depende de dispositivo móvel com capacidade suficiente para exibi-las, A realidade virtual isola o usuário do mundo real e requer um smartphone básico associado a um óculos RV para funcionar plenamente.

 

Assim, ao contrário do que muitos acreditam, inclusive dentro do mercado de TI, RV e VA são duas realidades diferentes, com experiências e aplicações. Elas não são tecnologias concorrentes e, por terem elementos digitais em comum, podem ser aplicadas de forma complementar entre si.

 

A venda de soluções de TI que permitam aos clientes aplicá-las de maneira correta permite, assim, que a revenda se insira em um novo nicho de mercado, sendo essencial compreender que cada uma dessas tecnologias tem seu destaque, importância e utilização, observar suas diferenças e entender qual delas melhor atende às necessidades de seus clientes e de que maneira pode beneficiar os clientes deles.

 

 

Fontes:

https://canaltech.com.br/gadgets/qual-a-diferenca-entre-realidade-virtual-e-realidade-aumentada-56265/

http://convergecom.com.br/tiinside/05/08/2017/mercado-de-realidade-virtual-vai-quadruplicar-em-quatro-anos-aponta-idc/

http://mundovr.com.br/2017/05/13/mercado-de-realidade-virtual-devera-valer-49-bilhoes-ate-o-final-de-2017/

 

 

Categorias: Mercado de TI, Soluções de TI, Transformação Digital, Realidade Virtual, Realidade Aumentada