<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Transformação Digital e oportunidades para revendas de TI na educação
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI

Segurança digital da IoT ainda é uma preocupação na área de TI

Publicado em 8/ago/2016 5:00:00

Pesquisa aponta que 63% dos entrevistados gostariam que equipamentos conectados tivessem uma dose extra de segurança.

Segurança digital da IoT ainda é uma preocupação na área de TI 

A Internet das Coisas (IoT – do inglês Internet of Things) é uma empolgante área para os negócios e carrega também a questão da conveniência e praticidade, o que, para a vida moderna dos consumidores atuais, é também uma necessidade.

Mas as possibilidades abertas para esse mundo de coisas cotidianas conectadas à Internet também abrem portas para inúmeros riscos. Por isso, o fator segurança nunca foi tão importante para a IoT.

Uma das grandes questões levantadas neste tema é a vulnerabilidade dos consumidores em âmbito pessoal, uma vez que, os produtos atualmente comercializados com essas características já possuem alguma sofisticação na implementação de segurança de seus sistemas.

No entanto, uma recente pesquisa da IOActive, que tratava justamente sobre a segurança da IoT, mostrou que 47% dos pesquisados avaliaram que menos de 10% dos itens disponibilizados no mercado de Internet das Coisas estão projetados com a segurança adequada.

Isso pode levar, por exemplo, a riscos potenciais como acesso à câmera de segurança e sistemas de controle de residências, uso não autorizado  e até mesmo indevido de informações pessoais,  a partir da coleta de hábitos, locais e condições físicas ao longo do tempo.

Em post recente aqui no nosso blog demos algumas dicas de como se proteger com tantos aparelhos conectados, que nem mesmo nos damos conta de seus perigos e possíveis implicações. Vale a pena voltar nesse material e absorver suas dicas, como por exemplo, atualização de senhas, saber quais as informações pessoais que estão sendo exigidas e compartilhadas por cada equipamento conectado, atualização dos produtos e cuidados com dispositivos vestíveis.   

A pesquisa mostra também que 63% dos entrevistados acreditam que a segurança dos produtos de Internet das Coisas deveria ser melhor do que em outras categorias. Essa revelação é preocupante, uma vez que traduz o sentimento de receio das pessoas em relação ao tema.

New Call-to-Action

Um outro grande problema a ser enfrentado é a rapidez com que novos produtos dessa categoria chegam ao mercado e com diferentes formas de conectividade: ainda de acordo com a IOActive, 21 bilhões de aparelhos serão conectados a coisas em uso até 2020. Assim, é fundamental para empresas desenvolverem mecanismos eficazes de segurança para esses dispositivos sobre a pena de fornecer amplo campo para atuação de hackers. E trabalhar na segurança agora será certamente uma vantagem competitiva para os novos produtos que serão ainda lançados. 

E é justamente este um dos últimos aspectos checados pela pesquisa. 72% das pessoas entrevistadas avaliaram que a segurança adequada no desenvolvimento de produtos é o maior desafio para a Internet das Coisas, e apontam também como preocupantes a falta de educação para a segurança por parte dos usuários, a falta de privacidade desses produtos, que somente a divulgação pública da vulnerabilidade não é suficiente e que normas regulatórias também podem trazer conquistas importantes para a área.

A falta de orientação para o usuário é uma das questões com maior facilidade de ser resolvida, que oferece à pessoa que tenha controle sobre suas decisões, mas que ao mesmo tempo exige maior sensibilidade por parte das empresas.

Seria interessante apresentar ao cliente, por exemplo, que se ele mantiver a babá eletrônica, que hoje pode ser conectada à Internet, ligada o tempo todo e um hacker resolver invadir esse dispositivo, todo o comportamento de uma casa inteira pode estar sendo observado sem que o próprio dono do aparelho saiba. Uma câmera de laptop é a mesma coisa. A simples orientação na embalagem para que tampem essas câmeras com um obstáculo ou pedaço de papel quando não estiverem em uso já resolveria algumas questões fundamentais de segurança.  

 

Fontes:

https://www.helpnetsecurity.com/2016/06/03/iot-products-no-adequate-security/

https://seginfo.com.br/2016/06/20/seguranca-inadequada-na-maioria-dos-dispositivos-iot-e-preocupacao-para-profissionais-de-ti/

http://www.tiespecialistas.com.br/2015/07/a-iot-privacidade-e-seguranca-em-um-mundo-conectado/

http://hpe.itforum365.com.br/noticias/detalhe/119862/iot-o-que-todo-cio-deve-saber-para-conter-as-ameacas-a-seguranca 

Categorias: Segurança, Internet of Everything, Internet das Coisas