<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora

4 armadilhas do DevOps e como evitá-las

Publicado em 11/jul/2018 5:00:00

A integração promete agilidade de entrega, mas que precisa ser feita com qualidade.

 

4 armadilhas do DevOps e como evitá-las

 

Pesquisa do Instituto Ponemon - centro americano especialista em iniciativas de proteção de dados -, com 1250 gerentes de TI do setor público no mundo todo aponta que 46% dos entrevistados apostam em DevOps para melhorar a eficiência da TI no setor público e assim qualificar o trabalho dos operadores.

 

O alinhamento da equipe de desenvolvimento com a equipe de operações, aproximando as práticas de criação rápidas com testes e implantações seria a principal solução para diminuir a falta de confiança na capacidade das operações de TI, especialmente entre as empresas que estão passando pela Transformação Digital.


Porém, entre as cinco práticas que compõem o DevOps: integração contínua, entrega contínua, infraestrutura de nuvem, automação de testes e gerenciamento de configuração -, as duas primeiras são as mais difíceis de serem gerenciadas e dominadas e, por isso, precisam de atenção para que erros não ocorram na integração entre as equipes, gerando armadilhas internas no próprio sistema.

 

Entre os principais erros estão:

 

1. A automatização dos processos errados: existe a possibilidade de empresas começarem a automatização dos processos a partir do zero, tendo todas as atividades de sistema sendo realizadas de forma manual. Estes negócios conseguem priorizar as atividades e ter maior controle sobre a digitalização das ações.


Porém, empresas que já contam com automatização no sistema e têm recursos limitados, podem ter dificuldade em escolher as prioridades. O correto é questionar qual o grau de urgência de automatização de determinado processo, se ele é utilizado por muitas pessoas, se está sujeito a erro se for feito de forma automática ao invés de manual e quais outros processos dependem deste para manterem o funcionamento do sistema.


Em muitos casos, o ideal é quebrar as tarefas em ações menores e automatizar partes ou ainda documentar os processos em detalhe e executá-lo de forma manual.

 

Baixar e-book grátis

 

2. A confusão entre implantação e entrega contínua: implantação contínua é quando todas as alterações feita em um código são inseridas quase que em tempo real para a produção. Já a entrega contínua, é o momento em que as alterações passam primeiro por ambientes de não produção, sendo aprovados por uma equipe de especialistas, que liberam o código para uso.

 

3. Ausência de painel de controle e métricas consistentes: é importante ouvir todas as partes envolvidas tanto no processo de desenvolvimento quanto operações, para criar um painel de controle que seja fácil para que todos possam acompanhar os processos, além de conter métricas que são relevantes para todos os departamentos.


Além disso, o modo de apresentação das informações deve ser discutida também com a equipe. É impossível agradar a todos, mas a maioria prefere acompanhar as informações a partir de gráficos, textos, tópicos ou representação de semáforo, com alertas vermelhos, amarelos e verdes?
São decisões que precisam considerar todos os envolvidos durante o planejamento.


4. Falta de equilíbrio entre os itens de configuração (IC) e sua real utilização: o trabalho de IC deve ser acionado toda vez que houver a necessidade de alteração de um código. Porém, é preciso considerar o tempo e os recursos que são gastos com cada item de configuração e saber realmente se o trabalho será válido para determinado contexto do processo.


Em resumo, o DevOps realmente oferece uma melhor experiência de trabalho para os operadores de tecnologia, porém, o alinhamento entre as equipes deve ser cada vez mais próximo e com participação mais efetiva dos seus membros. Processos, ferramentas e responsabilidades passam a ser organizados e simplificados, com o objetivo de acelerar as entregas em produção, diminuindo o tempo de resposta ao cliente, mas tudo isso com qualidade.

 

Categorias: DevOps