<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Partner Portal
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora
  • Baixar E-book grátis
  • Partner Portal
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora
  • Baixar E-book grátis

4 maneiras de reduzir os riscos de malvertising

Publicado em 15/mai/2018 5:00:00

Essa ameaça continua infectando computadores em todo o mundo. Com poucos passos, dá para manter computador livre dos golpes virtuais e proteger dados pessoais.

 

 

4 maneiras de reduzir os riscos de malvertising

 

 

A internet esconde inúmeros perigos, os mais conhecidos na forma de vírus que se propagam por meio de anúncios mal-intencionados que existem até mesmo em sites legítimos e aparentemente seguros. São os malvertising, nome que é uma união das palavras malicious e adversiting (malicioso e propaganda em inglês).

Criminosos virtuais empregam esse recurso de vírus constantemente. Ele oferece risco para a segurança até mesmo dos internautas mais precavidos, uma vez que pode contaminar a máquina do usuário sem nenhum clique, apenas ao navegar no site onde se encontra o anúncio. E geralmente não há muita coisa que a empresa usada como canal de propagação do vírus possa fazer para evitar que sua página virtual seja utilizada para o cibercrime.

Por meio do malversiting, senhas bancárias e outras informações sigilosas podem ser reveladas para um grupo que atua constantemente abusando das falhas de sistemas e, muitas vezes, da ingenuidade das pessoas que navegam na internet.

Além de usar dados pessoais disponíveis nas máquinas infectadas, os malversitings podem ainda ser usados para instalar, sem o consentimento do usuário, programas de mineração de Bitcoins, assim os criminosos obtêm lucros por meio dessas operações matemáticas complexas relacionadas às transações feitas com a mesma moeda virtual, sem que o usuário saiba a respeito.

Há anos que os golpes aplicados por meio de malversitings trazem prejuízos bilionários. Em 2016, o número era pouco mais de 130% maior do que o registrado em período anterior. E boa parte dos ataques afetam principalmente empresas. Pesquisa do ano passado revela que para 52% das empresas, a equipe é grande responsável pela quantidade de ataques sofridos.

 

 

Panorama da Cibersegurança Global: como proteger as redes corporativas de ameaças virtuais?

 

 

A boa notícia é que com poucos cuidados, é possível aumentar a segurança na web. Acompanhe:


1 - O primeiro passo para evitar o ‘contágio’ é manter o sistema operacional sempre atualizado. Isso porque as novas versões geralmente trazem correções de falhas que mantinham as máquinas mais expostas aos riscos. Utilizar versões mais atuais de navegadores e plug-ins também é importante para aumentar a segurança na rede. Outra ação recomendada é remover programas que não utilize, tais como Java ou Flash.

2 - Bloquear pop-ups parece básico, mas é uma dica importante na hora de aumentar a segurança na internet. Bloquear anúncios evita que scripts dinâmicos instalem conteúdos mal-intencionados no computador. Em fevereiro deste ano, usuários do Chrome foram afetados com um script malicioso. Ficou protegido quem tinha a função de bloqueio ativada.

3 - Outra medida é ativar mensagens do sistema que pedem permissão para rodar conteúdos na máquina, em especial aqueles que utilizam, mais uma vez, a tecnologia Java e Flash Player.

4 - Por último, é fundamental instalar um programa antivírus e anti-exploit na máquina. Todos os passos acima são fundamentais. Com o comportamento adequado na rede o usuário evita ameaças, como desconfiar de promoções que trazem valores de produtos muito abaixo do preço praticado no mercado. As propagandas também são usadas para simular lojas virtuais e assim coletar dados pessoais e de cartões do consumidor.

Ainda não existe uma forma de frear a atuação dos grupos criminosos na internet. De maneira geral, quem vai anunciar na internet precisa apenas se inscrever na rede e depois fazer lances para que os anúncios sejam exibidos em sites populares, que contam com a confiança dos usuários.

Há ainda um desconhecimento quase geral sobre quem anuncia na rede. A compra dos espaços publicitários é feita automaticamente, o que traz pouco ou nenhum conhecimento sobre quem publica o anúncio na web. A regulação das redes de publicidade é bem fraca, o que torna o ambiente mais suscetível ao crime.

O FBI, o Departamento de Justiça e o Departamento de Segurança Interna estão envolvidos na luta contra os malversitings e estudam formas de barrar ou ao menos retardar as suas ações na internet. O empenho de entidades sérias no combate ao crime virtual demonstra como é grande o impacto dos ataques na estabilidade financeira de empresas ao redor do mundo.

 

 

Categorias: Cibesegurança