<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Baixar E-book
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Baixar agora
  • Baixar E-book
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Baixar agora

4 medidas para ter uma infraestrutura segura para projetos IoT

Publicado em 27/set/2018 5:00:00

Dispositivos, redes, dados e Nuvem precisam estar protegidos para garantir o avanço da tecnologia.

4 medidas para ter uma infraestrutura segura para projetos IoT

 

 

Um dos principais desafios para o crescimento da Internet das Coisas é a segurança. Especialmente no setor industrial, que tem investido em sensores específicos para as necessidades de seus negócios e que cada detalhe é um diferencial competitivo guardado a sete chaves.


Na Industrial Internet of Things (IIoT), existe a intersecção entre seres humanos, dados e máquinas inteligentes que impactam a produtividade, eficiência e operações na indústria, criando novos modelos de negócios, explorando tecnologias para acelerar inovações, além de transformar a força de trabalho das empresas.


Em recente estudo divulgado pela PWC, uma parte significativa da indústria mundial planeja investir 907 bilhões de dólares em soluções para a Indústria 4.0 até 2022. As que mais se destacaram na fala dos gestores foram as tecnologias digitais, como sensores ou dispositivos de conectividade, e os softwares e aplicações, como Sistemas de Execução de Fabricação.

 

Para que todo este processo funcione, são necessários especialistas multidisciplinares que tenham conhecimento de tecnologias existentes há mais de 40 anos, assim como sobre as mais recentes e, ao final de tudo, saiba como conectá-las e fazê-las trabalhar em consonância com os demais equipamentos da fábrica e de forma eficiente.

 

A Cisco e a Internet de todas as coisas

 


Se há uma certeza neste ambiente é de que a cibersegurança é uma área que exige legítima preocupação. Com mais equipamentos conectados, gerando dados, aumentam-se as portas de entradas para ataques.


A situação envolverá um rigoroso processo de segurança, desenhado desde o início dos projetos. Até mesmo sistemas de controle existentes que não são conectados, também precisarão ser protegidos contra os ataques externos e sabotagens internas, já que estão inseridos em um ambiente online.
Para se ter uma infraestrutura segura para projetos IoT, porém, são necessárias algumas medidas, como por exemplo:


1 – Segurança segmentada: cada projeto deve ter seu próprio sistema de segurança, considerando rede, dispositivos e Nuvem. Cada empresa deve avaliar sua própria necessidade, medindo o impacto de uma invasão contra o custo do que precisa ser investido para ser protegido.


2 – Segurança dos dispositivos: a segurança de dispositivos inclui duas frentes: identidade/autenticação e ciclo de vida. O aparelho precisa ser visto pela rede e por isso, deve ter segurança garantida para entrar no sistema. Desde componentes de fábrica até a instalação de novas barreiras de proteção.

 

Depois, o dispositivo precisa garantir que está seguro para realizar autenticações com outros equipamentos e assim, não transportar vírus ou outros tipos de arquivos invasores. Por fim, seu ciclo de vida deve permitir a introdução de novas tecnologias ou atualizações de softwares para que não sejam abertas portas de entrada de ameaças.


3 – Segurança da Nuvem: A consultoria Gartner aconselha que as empresas destinem entre 4% e 7% dos seus orçamentos de TI para segurança da Computação em Nuvem. Valores abaixo desses índices são adequados apenas para as empresas que já possuem sistemas sólidos de proteção e que, por isso, apresentam menor vulnerabilidade contra ameaças.


Para quase todas as tarefas executadas remotamente, existe a obrigatoriedade de logins e senhas, que precisam ser fortes com combinações de letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos. Além disso, o uso de criptografia é desejável, sendo mais uma barreira de proteção imposta.
Se houve a contratação de uma Nuvem Privada, o fornecedor deve se encarregar de toda segurança das informações e garantir comunicação transparente com seus clientes.


4 – Proteção de dados e de redes: depois de todo o processo e os dados coletados e armazenados na rede, eles precisam ser protegidos desde o firewall até o endpoint, garantindo que toda a estrutura está segura.
Por meio da realização desses processos, é possível garantir o funcionamento da IoT e ter a certeza de que o sistema estará trabalhando de forma segura.

Categorias: Internet das Coisas, Segurança