<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Partner Portal
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora
  • Baixar E-book grátis
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Partner Portal
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora
  • Baixar E-book grátis
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki

5 cuidados indispensáveis na migração de Data Centers corporativos

Publicado em 12/set/2018 5:00:00

Pesquisar e se planejar antes da contratação de qualquer serviço é fundamental.

 

5 cuidados indispensáveis na migração de Data Centers corporativos

 

Mesmo com muitas tecnologias oferecidas no mercado, a migração de um Data Center para a Nuvem é um processo complexo e que vai exigir planejamento por parte de qualquer negócio.


A falta de um pode atrapalhar o trabalho cotidiano dos usuários, além de aumentar os riscos de perda de dados. Por isso, vamos listar aqui alguns cuidados indispensáveis nesta migração:

 

1 – Ter a tecnologia correta

Cada empresa tem uma necessidade específica de capacidade de Nuvem, de armazenamento e interfaces exclusivas para trabalhar suas informações que vão sair de um Data Center físico para um ambiente virtual.


Por isso, no momento da contratação do serviço, mais de um fornecedor deve ser pesquisado e é imprescindível estudar quais as tecnologias que se encaixam melhor nas ferramentas que a empresa já tem disponível e contratada, para facilitar ainda mais a migração dos dados e a gestão dos componentes.

 

2 – Contar com equipe especializada

A equipe interna de TI pode ter conhecimento sobre Nuvem, acompanhar as tendências do mercado e ter experiências anteriores em outras empresas. Porém, geralmente os fornecedores de Computação em Nuvem oferecem equipe de consultores para ajudar na instalação de componentes e migração dos dados.


É interessante contar com a expertise dessa equipe que já tem conhecimento de causa e pode, inclusive, tirar dúvidas iniciais, ajudar os gestores de TI e ainda compartilhar conhecimentos que vão acelerar o aprendizado do novo sistema.

 

Baixar Agora

 

3 – Planejar cada etapa do processo

Quais dados serão migrados primeiro? Qual a política de acesso para eles? Quanto tempo leva essa migração? Quais funções podem ficar desabilitadas enquanto há a transferência para o ambiente virtual? Qual o cronograma de ações e as responsabilidades?


Todas essas perguntas, além de outras importantes, devem ser respondidas e colocadas em um planejamento antes do início da migração do Data Center para a Nuvem. Sem essa contextualização das ações, pode gerar ansiedade nas equipes e perda de confiança no novo ambiente.

 

4 – Treinar as equipes para usarem o novo sistema

De que adianta cortar custos com TI, investir em agilidade e mobilidade de rede, se os usuários não conseguem utilizar em totalidade as funções que a nova tecnologia oferece?


Por isso é fundamental um momento para compartilhar conhecimentos e ensinar a equipe a transitar no ambiente de Nuvem. Quais as novas funções, onde estão os arquivos, como acessá-los.


Para os gestores de TI, quais as novas funcionalidades, benefícios que oferece, formas de flexibilizar a nova rede.

 

5 – Ter a certeza de que o ambiente esteja altamente seguro

Computação em Nuvem oferece inúmeros benefícios para as organizações resolverem problemas de armazenamento, acesso e compartilhamento de dados, além de possibilitar a redução de custos. No entanto, com o uso crescente dessa tecnologia, aumentam também os desafios no que diz respeito à segurança.


A consultoria Gartner aconselha que as companhias destinem entre 4% e 7% dos seus orçamentos de TI para segurança em Nuvem. Valores abaixo desses índices são adequados apenas para as empresas que já possuem sistemas sólidos de proteção e que, por isso, apresentam menor vulnerabilidade contra ataques.


Para Nuvens Privadas, o provedor deve ser questionado, uma vez que é de sua responsabilidade manter os dados dos clientes a salvo. É necessário reforçar em contrato e mesmo tirar dúvidas com o fornecedor de quais são as ferramentas de proteção daquela Nuvem que está sendo contratada e como é possível aumentar os filtros contra hackers.

 

As revendas de TI são peças fundamentais

 

As revendas de produtos de tecnologia devem ser parceiras neste processo, explicando as reais necessidades de seus clientes e apontando as melhores soluções, abordando o cliente com foco na compreensão dos benefícios de cada ferramenta.


Outra função da revenda é pensar nas necessidades do cliente a longo prazo. O canal deve trabalhar de forma a ser um agente de mudança nesse legado dos antigos sistemas, evidenciando as vantagens a longo prazo que a Nuvem vai trazer em termos de evitar gastos constantes com atualizações, compra de equipamentos para período de alta demanda e que se tornam ociosos posteriormente.


Por fim, o parceiro deve ser especialista em Computação em Nuvem, com mínimo de requisitos técnicos necessários para saber diferenciar as ferramentas e sugerir a melhor solução.

Categorias: Data Center