<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Cibersegurança para pequenas empresas
  • Baixar E-book
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Cibersegurança para pequenas empresas
  • Baixar E-book
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora

5 dicas para melhorar o suporte à Internet das coisas

Publicado em 20/fev/2019 5:00:00

Equipes dedicadas à implantação da tecnologia e comunicação entre departamentos são fundamentais.

 

5 dicas para melhorar o suporte à IoT

 

Para que ferramentas IoT entreguem o trabalho que estão destinados a fazer, consolidando as expectativas dos investidores, é preciso que haja suporte em toda a sua cadeia, de ponta a ponta, desde os resultados dos dados que foram colhidos e armazenados, passando pelo suporte aos dispositivos físicos e depois redes e servidores.


Todo o caminho deve ser assistido por pessoas que entendam não somente de IoT, como também de áreas específicas da TI.


Possivelmente, muitas empresas ainda têm baixos resultados com a Internet das Coisas exatamente por possuir algum gap ao longo desta trajetória, que interrompe todo um processo.


Para melhorar então as possibilidades de que a IoT entregue realmente o que foi destinado, valem algumas dicas de suporte:


1 – Ter uma equipe específica para atender demandas de IoT: pessoas com conhecimentos multidisciplinares devem ser escaladas para trabalharem em conjunto para desenvolverem planejamentos, métricas, ações e monitoramento em prol da Internet das Coisas, para que estejam ainda alinhadas com as necessidades dos negócios.


Por ser uma tecnologia que emergiu na última década, os especialistas em TI precisam se envolver um pouco mais no dia a dia da IoT, realizar testes, estarem dedicados para pensarem em soluções. Se estiverem escalados também para atenderem outras demandas do negócio, que não estejam relacionados com os dispositivos inteligentes, os resultados podem ser atrasados ainda mais.


2 – Capacitar público interno: inteligência artificial ou suporte de autoajuda podem filtrar parte dos problemas que seriam resolvidos pela equipe de suporte, porém, muitas outras demandas surgirão no departamento e vão precisar de uma decisão humana.

 

A Cisco e a Internet de todas as coisas


Os gestores precisam garantir que os atendentes da central de atendimento e de backup recebam treinamento avançado sobre as tecnologias IoT para que possam ajudar a dar suporte de forma adequada.


3 – Interagir com os usuários finais: ter um canal de comunicação eficiente e transparente com uma das pontas da cadeia vai eliminar tempo e complexidade das equipes de suporte para entenderem realmente as demandas dos usuários finais, as principais dúvidas e onde estão os problemas.


Também esses usuários podem também receber treinamento e se tornarem fontes de informação in loco e em tempo real dos problemas que possam estar acometendo o sistema.


4 – Unir diferentes equipes: há uma grande escassez de mão de obra para trabalhar com AI, necessitando obrigatoriamente o treinamento de talentos internos. Para se trabalhar com IoT, entretanto, é necessário unir pessoas com diferentes conhecimentos como programação, segurança e marketing, que irão colocar os pontos de cada área para que o projeto seja completo.

5 – Gerenciar o fornecedor: a cobertura da equipe de suporte interna é apenas a metade do serviço que precisa ser feita, já que esta tecnologia conta com a participação de empresas fornecedoras de soluções.


Por isso, é fundamental incluir no check list da equipe de suporte o gerenciamento também do fornecedor, buscando um trabalho conjunto.
Enfim, implantar Internet das Coisas é realmente complexo. Todo e qualquer fluxo precisa de um processo, um responsável e também um suporte para que funciona o sistema como um todo de forma eficiente.

Categorias: Internet das Coisas