<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL COMSTOR
O blog dos negócios de TI.

BYOD e Data Center corporativo: qual a relação e como garantir a segurança dos dados?

Essa prática já é utilizada pela maioria das empresas. No entanto, muitas pessoas ainda possuem dúvidas sobre como ela impacta na proteção dos dados corporativos.

 

Nos últimos anos, o uso de dispositivos móveis no ambiente de trabalho deixou de ser uma tendência para se tornar uma realidade constante. A maioria das pessoas passaram a utilizar diversos aparelhos para realizar suas tarefas, inclusive seus próprios smartphones.

Devido a essa nova realidade, as empresas passaram a ter que adotar a prática BYOD (Bring Your Own Device), que significa justamente esse movimento dos dispositivos móveis pessoais para dentro dos escritórios sendo utilizados como uma ferramenta de trabalho.

Essa prática representa uma verdadeira evolução na forma como as empresas utilizam tecnologias móveis em suas atividades, as quais têm influenciado a realidade dos empreendimentos como um todo.

O BYOD, quando utilizado corretamente, pode trazer muitos benefícios, tanto para a empresa quanto para os seus próprios funcionários. Ele é capaz de gerar economia de custos para a organização, fornecer um trabalho flexível para a equipe e aumentar a motivação e a produtividade.

Como você pôde perceber, há muitas vantagens em utilizar essa prática para os negócios. No entanto, diversas organizações ainda não a utilizam corretamente por ter muitas dúvidas sobre o assunto e, a principal delas, é como o BYOD se relaciona com o Data Center corporativa. Será que representa algum risco para a empresa?

Confira o conteúdo e esclareça todas as suas dúvidas sobre o assunto. Não perca!

O que é BYOD?

Essa sigla deriva do termo, em inglês, Bring Your Own Device, que é traduzido para “Traga Seu Próprio Dispositivo”. Esse conceito representa a prática dos funcionários de uma empresa utilizarem seus próprios aparelhos como ferramentas de trabalho.

O BYOD se popularizou devido aos avanços da tecnologia e mobilidade nos ambientes de trabalho que pressionaram as empresas a se modernizarem. Acontece que nem sempre as instituições conseguem acompanhar toda essa transformação rapidamente.

Como solução para essa questão, elas passaram a aceitar que os próprios colaboradores escolhessem os dispositivos que iriam utilizar. A partir disso, muitas pessoas começaram a utilizar seus equipamentos pessoais, os quais costumavam ser mais modernos do que os disponibilizados.

Desse modo, as empresas passaram a dar a liberdade para que seu pessoal optasse por utilizar suas próprias tecnologias para acessar os dados corporativos.

Os resultados dessa prática têm sido positivos para o dia a dia das organizações, pois os colaboradores podem trabalhar com mais conforto ao usarem os dispositivos que já estão acostumados, o que contribui para o aumento da produtividade e sua satisfação.

Baixar agora

Mas como o BYOD se relaciona com os Data Centers corporativos?

O BYOD se relaciona com o Data Center corporativo à medida que os usuários passam a usar seus dispositivos móveis pessoais para acessar os dados e sistemas da empresa.

Isso representa uma grande preocupação para a maioria dos gestores. No entanto, ao invés de eliminar essa prática, é preciso aliá-la às estratégias de segurança e permitir seu uso de forma consciente.

Quando uma empresa adota o BYOD, é preciso ter em mente que está permitindo que diferentes dispositivos tenham acesso a seu Data Center e, por isso, precisa repensar suas medidas de proteção e práticas de monitoramento. Afinal, não basta estabelecer regras para o uso dos dispositivos móveis e esperar que todos sigam à risca.

Para que essa prática não coloque em risco a segurança digital do Data Center é necessário tomar os cuidados necessários. Para começar, a empresa deve investir em uma infraestrutura de segurança digital eficiente, que contenha antivírus profissional, firewalls eficientes e sistemas de backup do Data Center.

Além de contar com soluções tecnológicas atualizadas e confiáveis, é preciso estabelecer políticas de controle de acesso ao Data Center. Para isso, a organização deve configurar aplicativos da empresa nos dispositivos móveis pessoais. Assim, os usuários apenas terão acesso aos dados após instalar e configurar o app, além de precisarem inserir seus logins e senhas.

Outro ponto importante para uma boa relação entre a prática BYOD e o Data Center corporativo, é a utilização de uma conexão segura, como a VPN (Rede Privada Virtual).

Apenas após a adoção de todas as medidas e soluções de segurança adequadas, a organização precisa investir na conscientização de seus funcionários. É necessário incentivar boas práticas de uso, como:

  • Não utilização de redes públicas fora da empresa;
  • Instalar softwares de segurança para se proteger contra roubos ou perda dos aparelhos;
  • Não compartilhar informações sigilosas com outras pessoas;
  • Usar senhas fortes e extensas;
  • Utilizar sempre uma VPN em todos os dispositivos.
  • Não abrir links suspeitos ou e-mails de desconhecidos;
  • Atualizar periodicamente o sistema operacional dos dispositivos móveis e dos aplicativos utilizados.

Quando todos esses cuidados são tomados, a organização pode garantir que o BYOD será utilizado com segurança e efetividade e, principalmente, sem prejudicar o Data Center corporativo. Portanto, é possível sim adotar essa prática sem que ela represente risco aos sistemas de sua empresa.

Posts relacionados

6 ações para acelerar a adequação à LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados está próxima de entrar em vigor e aquelas organizações que não estiverem preparadas poderão sofrer penalidades gravíssimas.

Qual a importância da governança de TI para o setor financeiro?

Esse setor lida com dados críticos de seus clientes, portanto precisam investir em processos de segurança efetivos. Entenda como a governança de TI pode ajudar.

Shadow IT: quais os riscos para as empresas?

Entenda como essa prática silenciosa pode abrir brechas para ciberameaças e prejudicar os negócios de seus clientes.

Escreva seu comentário