<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora

Como blockchain e IoT podem trabalhar juntos contra ciberataques?

Publicado em 8/out/2018 5:00:00

Existem muitas possibilidades das tecnologias funcionarem juntas, mas primeiro, precisam ser estruturadas.

 

Como blockchain e IoT podem trabalhar juntos contra ciberataques?

 

O blockchain foi criado para transitar as criptomoedas com segurança e está se transformando em um sistema com outras finalidades, uma vez que não permite corrupção de dados e que retira dos processos os intermediários que possam atrapalhar negociações ou burocratizar os processos.


Com todas essas vantagens e ainda sendo uma tecnologia incorruptível, a cadeia de blocos está sendo vista por especialistas como uma nova opção em outros processos empresariais, não somente em transações financeiras, mas também na negociação de propriedade digitais.


A revista Forbes listou algumas possibilidades de seu uso e vantagens para as empresas, entre elas gerenciar registros privados descentralizados e acompanhar a procedência de produtos e materiais.


Associado ao Big Data, o blockchain pode oferecer informações mais transparentes e certeiras, uma vez que o sistema rejeita qualquer entrada de dados suspeitos ou que não possa verificar. Sendo assim, os padrões de comportamento dos clientes serão mais genuínos.


Indo um pouco mais além, com o blockchain, o relacionamento B2C – de empresas para clientes finais – pode ser intensificada, criando uma relação em que o cliente confia no sistema e oferta seus dados pessoais e de consumo, alimentando o Big Data da empresa de forma direta.


Nesta questão, o cliente vai perceber o valor dos seus dados pessoais e poderá barganhá-los por descontos ou outras trocas na relação em que as duas partes saem ganhando.


Pelo mesmo caminho, as empresas podem ofertar seus produtos de forma direta para o cliente, sem atravessadores, podendo fazer também os processos de pagamento pelo sistema.

 

Panorama da Cibersegurança Global: como proteger as redes corporativas de ameaças virtuais?

 

 

Blockchain e Internet das Coisas: novos desafios

Uma nova discussão agora vem à tona, como o uso do blockchain, somado à tecnologia da IoT contra ciberataques.


O mercado da Internet das Coisas cresceu consideravelmente nos últimos anos e com ele, os números de invasões tanto em residências quanto em empresas, sistemas de transporte e em cidades inteligentes.


O blockchain poderia impedir que um dispositivo vulnerável transite informações falsas ao longo do sistema ou ainda, no caso de uma sobrecarga na rede, o registro cadeia de blocos é capaz de identificar o ponto em que algo deu errado.


A relação entre as duas tecnologias ainda é nova, mas já existem listadas algumas possibilidades de como juntas elas podem se tornar poderosas contra os ciberataques:

 

  • · Rastreando dispositivos conectados em um sistema;
    · Autenticando usuários e dispositivos;
    · Mantendo os dados de forma segura;
    · Removendo ponto único de falha;
    · Construindo confiança entre os processos de IoT;
    · Reduzindo custos ao eliminar intermediários.


Porém, o desafio dessa união ainda é grande, uma vez que a construção de um blockchain é relativamente demorado e para a tecnologia IoT as necessidades são em tempo real. Além disso, os sensores e dispositivos da Internet das Coisas podem ser comprometidos para transmitir informações erradas a uma cadeia de blocos.


Outro desafio é a interdisciplinaridade entre as tecnologias. Existe o interesse em registrar de forma imutável o acesso às informações, porém, é necessária a gestão dessas informações, permitindo o controle do ciclo de vida das atualizações. Somente dessa forma é que juntos, IoT e blockchain tem a garantia de compliance, auditoria imediata e transparência dos componentes.


No estágio atual das tecnologias, o ideal seria primeiramente garantir a segurança dos sensores IoT, procurando por defesas em várias camadas com proteção 360 graus, desde o gateway até o endpoint, além da criação de uma malha de redes mais seguras, para que os dispositivos conectados transitem informações sem falsificações e personificação.


Enquanto os usos das tecnologias avançam, com certeza chegará um ponto de interseção em que IoT e blockchain conseguirão trabalhar em conjunto e garantir a potencialidade da segurança que está sendo prevista para muito em breve.

 

Categorias: Internet das Coisas, Segurança