<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora

Como o Big Data Analytics pode ajudar seus clientes do varejo?

Publicado em 27/ago/2018 5:00:00

Tanto lojas online quanto físicas podem se beneficiar da tecnologia.

 

Como o Big Data Analytics pode ajudar seus clientes do varejo?

 

 

A previsibilidade de compra para organizar pedidos e estoque é um dos benefícios oferecidos pela utilização do Big Data Analytics no comércio varejista.


A partir da avaliação de dados gerados ao longo do ano sobre o perfil de cada cliente, somados aos seus comportamentos de compra online, a tecnologia é capaz de mostrar ao lojista as tendências para um determinado período.

 

Esta ferramenta é fundamental para grandes cadeias do varejo, mas também se encaixa perfeitamente para os pequenos negócios, em que o número de cliente é menor, mas a complexidade das operações é semelhante.


Além de uma maior conversão em vendas, o Big Data Analytics pode ajudar o empresário também em outras frentes, como por exemplo:

 

1 - Otimização dos estoques com Inteligência Artificial e Machine Learning

Ao detectar padrões de consumo, as máquinas que aprendem sozinhas são capazes de trabalhar de forma autônoma, gerando relatórios com uma complexa variedade de dados, que vão colaborar com as decisões do negócio. O controle do estoque diminui custos com armazenamento, gestão e logística dos produtos, tendo menores chances de ter muitos artigos encalhados nas prateleiras.


A satisfação do cliente é um benefício que vem embutido nesta questão, uma vez que ele vai chegar na loja e vai encontrar o que procura.


De acordo com uma pesquisa da americana Blue Yonder, 81% dos consumidores não conseguem obter exatamente os produtos que estão procurando, seja na loja física ou online. Além disso, 30% das pessoas pesquisadas dizem que abandonaram seus carrinhos por não terem encontrado o produto que queriam. 28% deles se disseram insatisfeitos quando tiveram que comprar um produto genérico ou semelhante aos que estavam procurando.

 

Cloud Computing: o futuro chegou ao mercado de TI

 

2 – Melhoria na estratégia de compra

Ter informações de mercado a partir do Big Data Analytics, em que é possível buscar dados relevantes sobre compras, estoques e informações financeiras para uma determinada sazonalidade, define completamente a estratégia de compra de qualquer empresa, seja ela do varejo, alimentícia, da indústria farmacêutica e mesmo das revendas de TI.


3 – Criação de campanhas de marketing certeiras para o seu público

Conhecendo melhor o público e seus comportamentos de compra, é possível oferecer o produto adequado em uma abordagem adequada, na linguagem que o público quer ouvir. Se o perfil do cliente é mais jovem e descolado, os clientes vão querer receber informações da loja, talvez por redes sociais ao invés de e-mails. Esta é uma possibilidade de filtragem oferecida pelo Analytics.

 

4 – Mapeamento do estabelecimento

Lojas de e-commerce têm a tecnologia a favor quando o assunto é a geração de dados. Por meio de ferramentas simples é possível saber quantas pessoas navegam no site por dia, quais os horários de pico, quais os produtos mais procurados, quais as partes do site mais visitados. Enfim, inúmeras possibilidades de análise.


Porém, também é possível buscar as mesmas métricas nas lojas físicas, utilizando, por exemplo, câmeras internas.


Essas câmeras, que são inteligentes, conseguem, por exemplo, identificar o rosto de um cliente e vincular com o banco de dados para mostrar quando foi a sua última visita, as últimas compras e o tíquete médio. Com essas informações, um dos consultores da loja pode oferecer produtos específicos.

 

Com as câmeras é possível também fazer a contagem de visitantes, a atratividade das vitrines, o tempo de visitação, determinar os pontos mais quentes da loja para exibir os produtos de maior margem de lucro, assim como taxa de conversão, que vai relacionar a quantidade de pessoas que entram na loja com a quantidade de clientes que fizeram compras. Este índice pode, por exemplo, indicar a eficiência do atendimento.


Enfim, em tempos de instabilidades econômicas, investir em Big Data Analytics não é gasto, mas sim, um investimento certeiro, que vai trazer ao varejista aumento de vendas, diminuído os custos operacionais, além de gerar maior satisfação e retenção de clientes e motivação do público interno, que terá informações riquíssimas sobre como abordar os consumidores e melhorar suas performances de venda.

 

Categorias: Big Data, Varejo