<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Partner Portal
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora
  • Baixar E-book grátis
  • Partner Portal
  • 7 benefícios da videoconferência: colaboração e comunicação a favor de bons negócios
  • 14 dicas de marketing para revendas de TI
  • Baixar agora
  • Baixar E-book grátis

Conectividade na vertical de manufatura

Publicado em 9/abr/2018 5:00:00

Indústria 4.0 tem investido especialmente em sensores para a modernização do processo produtivo.

 

Conectividade na vertical de manufatura

 

O canal Comstor tem falado constantemente sobre Indústria 4.0 e a transformação que o setor manufatureiro em todo mundo tem passado com o advento de tecnologias de conexão.


Para saber um pouco mais sobre esse novo universo, leia:

 


Em resumo, o que já dissemos é que a automação é a palavra-chave desse modelo de negócio, que tem crescido exponencialmente entre companhias que buscam maior competitividade, uma vez que indústrias altamente tecnológicas são capazes de reduzir erros de produção, minimizando o desperdício de materiais e conquistando, por meio da robótica, condições de trabalharem os três turnos sem pausa, durante os 365 dias do ano, se necessário.


Nesse novo modelo, já chamado de 4ª Revolução Industrial, os protagonistas são sensores, IoT, Big Data, automação, Inteligência Artificial e outras ferramentas tecnológicas que permitem, cada dia mais, que as máquinas interfiram e melhorem os processos produtivos.


Suas principais forças são o aumento da produtividade, da eficiência, da competitividade global e de receita, além do crescimento do número de empregos altamente qualificados e mais bem pagos. Entre suas ameaças estão a cibersegurança, a propriedade intelectual e a privacidade dos dados, além da substituição de mão de obra humana e da vulnerabilidade das cadeias de valor globais.


Também, especialmente no Brasil, somam-se o ambiente de negócios avesso aos investimentos necessários para a modernização das fábricas, o medo de que normas do Ministério do Trabalho prejudique a colaboração entre robôs e humanos por questões de segurança do trabalhador e, por fim, a possibilidade do país se tornar apenas um cliente dessas novas tecnologias e não um desenvolvedor.

 

A Cisco e a Internet de todas as coisas


Pesquisa aponta as tecnologias mais empregadas nas indústrias


Uma pesquisa realizada entre as micro e pequenas empresas do Reino Unido levantou quais são as principais tecnologias que os industriais estão adotando em seus processos produtivos.


Em primeiro lugar estão os sensores (78%), seguidos por alarmes e alertas (60%), ferramentas de interface entre homem e máquina (59%) e sistemas de execução de fabricação linkados com um sistema ERP (52%).


Outras escolhas para a modernização dos processos são monitoramento de motores, robótica e sistema programável de controle de lógica.


Em resumo, a maioria das empresas tem se preocupado em recolher dados através dos sensores para realizar análises e aprimorar a produção. A avaliação dos pontos com falhas é a principal ação para redução de custos e desperdício de mão de obra e materiais.


Dados de mercado apontam que o preço médio de sensores baixou 66% desde 2004 e que poderá alcançar preço médio de 38 centavos de dólar até 2020, contra 1,30 dólar de 14 anos atrás. Outra tecnologia que tem aumentado acessibilidade é o armazenamento de dados, que deverá ter seus custos diminuídos em até 80% nos próximos anos. Um incentivo a partir da alta demanda das empresas.


Um ponto importante levantado pelo estudo é de que entre os entrevistados, 47% deles acreditam que não tem condições de coletarem dados de alta qualidade que vão evidenciar exatamente as melhorias que precisam ser realizadas. Também não são capazes de analisá-los e gerenciá-los.

 

54% das respostas também evidenciam que muitas empresas não conseguem enxergar os benefícios da tecnologia na cadeia produtiva, uma vez que não compreendem completamente quais são os requisitos de conectividade para uma fabricação mais inteligente.

As indústrias estão avançando na digitalização de suas ações, mas muitas empresas – especialmente as MPEs – ainda se confundem na relação entre o custo e o benefício no investimento de novas tecnologias.

 

O fato pode ser compreensível por ser uma demanda emergente entre as empresas de manufatura. Este contexto abre muitas portas para a atuação de revendas e consultores de TI, que podem apresentar soluções personalizadas para cada necessidade de um negócio.

 

O custo do processo de transformação digital está mais viável hoje e vai se diferenciar no mercado, a revenda que conseguir atender melhor às expectativas dos clientes.

 

Categorias: Conectividade