<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Serviços Gerenciados Cisco Meraki
  • Baixar agora

Empresas perdem US$ 13,5 milhões/ano devido à gestão ineficiente de dados

Publicado em 3/abr/2015 5:00:00

Entenda porque é preciso dar importância a gestão de dados, bem como a gestão tecnológica e financeira.

Empresas perdem US$ 13,5 milhões/ano devido à gestão ineficiente de dados

Executivos na área de TI se deparam com a má gestão na área de dados e os prejuízos que isso vem acarretando para o setor.

Atualmente, a gestão de dados anda obsoleta por apresentar seus códigos bastante entrelaçados. Além disso, as interfaces são de pouca eficiência e os dados que são otimizados para uma área são inutilizados por outras, não sendo ativo para todas as categorias organizacionais.

Uma confusão organizacional tremenda e um desperdício ainda maior de tempo, trabalho e investimento. Empresas ineficientes na gestão de suas informações deixam de arrecadar e perdem competitividade em seu mercado.

Para atingir uma gestão balanceada e atual, é possível permitir a implementação da GUI (Graphical User Interface – Interface Gráfica do Usuário) para abrir possibilidades para as empresas e haver uma inovação digital para que avancem suas aplicações e melhorem a produtividade do desenvolvedor. A GUI é um tipo de interface entre homem e máquina que permite a interação com dispositivos, através de indicadores visuais de uma forma mais dinâmica e didática.

Para se extrair o máximo de desempenho de um sistema, é preciso saber como explorar os seus recursos de maneira dinâmica durante o dia a dia, aprendendo como configurar, monitorar, fazer backup e manter a segurança dos dados da melhor forma possível.

Esse passo a passo pode parecer simples, entretanto muitas empresas não o seguem, independente de ser uma grande ou pequena empresa. Mesmo que os investimentos aplicados na área sejam consideráveis ou ainda que existam especialistas no setor, o trabalho de gerir todos os dados deve considerar o envolvimento de diversas áreas, que além de apontar as informações que são importantes e estratégicas, vão poder apontar quem estará apto a acessá-las e de que forma deverão ser armazenadas. Uma das soluções para o problema seria: automatizar ao máximo, facilitar as operações e tornar o contato ainda mais intuitivo.

O aumento dos dados dentro de uma empresa se dá não somente pela internet, mas também pelo maior controle e diversidade de sistemas de gestão das áreas internas das companhias. Isso faz com que aumente o número de pessoas internas ou externas que tenham acesso às informações da empresa. Por conta disso, a segurança ao redor do banco de dados deve tornar-se ainda mais rígida. Assim, o uso de criptografia, mesmo em bancos de dados voltados para pequenas e médias empresas, tornou-se obrigatório.

Mesmo tendo um bom banco de dados, aquele que oferece e disponibiliza um maior potencial de recursos de forma rápida e fácil, muitas empresas fazem o básico quando se fala em extrair o máximo dos sistemas, pela simples razão que não possuem capacidade para investir em profissionais capacitados e a pessoa responsável pelo banco de dados, é consumida pelo operacional da empresa.

A responsabilidade dessa gestão toda cabe ao DBA (Database Administrator), que precisa se atualizar e estudar a fundo os sistemas de gestão do banco de dados, para que erros não sejam cometidos e prejuízos não só financeiros, como também de produtividade sejam gerados. Mas os dias em que o DBA era o único "guardião do esquema de banco de dados" parecem estar contados, pois novas habilidades virão para os administradores de outros setores de tecnologia.

Por exemplo, em pesquisa feita ano passado, cerca de 20% dos diretores executivos de grandes empresas já envolveram um CDO (Chief Digital Officer) na liderança da inovação digital. O CDO, em conjunto com o diretor de TI, pode agrupar os dados como parte das operações de negócios, tornando-se um protetor da informação como fonte de valor. Desse modo, o CDO será peça fundamental para conduzir a gestão e o controle de dados de modo eficiente. Ele poderá ajudar a enfrentar os desafios citados de várias maneiras.

É importante que executivos tenham a consciência que a gestão de dados é tão importante, organizacionalmente, quanto a gestão financeira e a gestão da tecnologia.  

 

New Call-to-action

 

Fontes:

http://www.tiespecialistas.com.br/?s=gest%C3%A3o+ineficiente+de+dados

http://itforum365.com.br/noticias/detalhe/114922/lacuna-na-gestao-de-dados-custa-us-135-milhoes-por-ano-as-empresas-

http://pcworld.com.br/estaticas/pcw-extra/pcw_extra_maximo_banco_dados.pdf

http://www.fiercecio.com/story/cios-warned-does-bad-manager-lurk-within-you/2015-03-04

http://searchdatamanagement.techtarget.com/feature/DBA-skills-must-evolve-morph-to-cope-with-big-data-technologies

 

Categorias: Big Data