<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL SYNNEX COMSTOR
O blog dos negócios de TI.

Gartner prevê movimentação de US$ 28,7 bilhões em 2016 na venda de wearables

Relógios, equipamentos para fitness e setor de saúde são os dispositivos que terão mais crescimento de mercado.

Gartner prevê movimentação de US$ 28,7 bilhões em 2016 na venda de wearables 

As tecnologias vestíveis já são uma realidade no nosso cotidiano e a cada dia vêm ganhando mais opções, funções e se tornando mais acessíveis ao público que gosta de ter sua vida facilitada pela tecnologia.

Relógios, óculos, pulseiras, braceletes, anéis, roupas e dispositivos que podem ser acoplados ao corpo e que contam com processadores próprios, podendo se integrar com facilidade à smartphones e tablets, são um destaque no mercado e devem movimentar US$ 28,7 bilhões este ano, de acordo com um levantamento da consultoria Gartner.

Desde 2014, grandes empresas de tecnologia já apresentaram algum tipo de wearables durante a Consumer Electronic Show (CES) - a maior feira de eletrônicos e de novidades tecnológicas para usuários finais - que há 49 anos apresenta inovações que mudaram o mundo, como o videocassete, o DVD e mais recentemente os drones e os carros conectados. Isso significa que a cada dia esses dispositivos estão se tornando cada vez mais populares.

Para 2016, a estimativa é que sejam comercializados 274,6 milhões de unidades de wearables ao redor do mundo. Esse volume representa um aumento de 18,4% em comparação aos 232 milhões de dispositivos vendidos em 2015. Do total movimentado por esse mercado, aproximadamente US$ 11,5 bilhões virão da comercialização de relógios inteligentes, especialmente por conta da popularização do relógio da Apple.

Outro dispositivo que deve continuar ganhando mercado é o relógio esportivo, que mantém seu preço no varejo, mantendo-se acessível aos usuários. Todas as outras tecnologias para vestir do setor fitness como pulseiras, roupas inteligentes, entre outros itens, devem continuar aumentando a popularidade, impulsionadas especialmente por programas de bem-estar dos Estados Unidos.

A consultoria Gartner aposta também no aumento de interesse pelos capacetes de Realidade Virtual (VRs) para a adoção por consumidores e para o uso corporativo. Espera-se que sejam disponibilizados juntamente com jogos de videogame, com conteúdos de entretenimento e aplicações críticas de negócios, ampliando drasticamente a gama de empresas que podem investir nesse equipamento para transformar a experiência de seus clientes. Segundo o Gartner, aproximadamente 26% dos VRs estão sendo projetados diretamente para uso comercial em 2018.

O desenvolvimento desse tipo de tecnologia para os negócios é apontado pelo mercado como diferencial para setores como saúde, segurança do trabalho e varejo. Essas soluções incluem aparelhos para controle dos níveis de atividades de colaboradores visando reduzir taxas de seguros, sensores químicos para ajudar em primeiros socorros e sensores de identificação de mudanças climáticas para usos militares, além de dispositivos de comunicação que podem ser acionados sem o uso das mãos.

No setor de saúde, especialmente, os wearables têm potencial para revolucionar os custos da área, permitindo que o monitoramento e os cuidados com o organismo possam ser feitos cada vez mais em casa diminuindo os custos e desgastes de pacientes em unidades de saúde.

Para alguns especialistas, os wearables são a evolução das tecnologias móveis, porém são acompanhados por uma grande desconfiança por parte dos usuários. Uma pesquisa da Harris Interactive com 2.500 pessoas nos EUA, mostra que apenas 3% dos usuários de Internet norte-americanos possuem hoje qualquer dispositivo vestível.

A pesquisa mostra ainda que 36% acreditam que um dia poderão utilizar um desses dispositivos, mas 19% disseram que nunca consideraram comprar um wearable. Quase três quartos dos entrevistados disseram ter pelo menos uma preocupação em relação a esse tipo de aparelho, sendo preço, privacidade e real utilidade as questões mais levantadas.

Única certeza que se tem é de que as oportunidades são enormes e o crescimento dessa demanda virá de uma audiência variada, considerando os consumidores, empresas e o setor de saúde.

 

7 Dicas para obter sucesso em BYOD

 

Fontes:

http://computerworld.com.br/vendas-wearables-movimentarao-us-287-bilhoes-em-2016-preve-gartner

http://www.tecmundo.com.br/tecnologia/49699-wearables-sera-que-esta-moda-pega-.htm

http://g1.globo.com/tecnologia/ces/2016/noticia/2016/01/ces-veja-10-tecnologias-historicas-que-estrearam-na-feira-de-eletronicos.html

http://canaltech.com.br/coluna/mobile/os-wearables-sao-a-evolucao-da-tecnologia-movel/ 

 

Posts relacionados

Mobilidade corporativa: o que é COPE?

A mobilidade traz vantagens expressivas para o cenário corporativo, mas o seu uso exige segurança de dados reforçada. 

Coronavírus x Home Office: como ferramentas colaborativas podem ajudar na produtividade?

Ao adotar uma solução ágil e completa, as empresas podem oferecer as melhores tecnologias para que seus colaboradores se protejam e, ao mesmo tempo, desempenhem suas tarefas em casa.

Quais ferramentas de colaboração utilizar para otimizar os negócios?

Em uma sociedade cada vez mais digital, contar com soluções que oferecem comunicação ágil, maior eficiência e produtividade é fundamental para se destacar no mercado.

Escreva seu comentário