<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Baixar E-book
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Baixar agora
  • Baixar E-book
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Baixar agora

Indústria 4.0: a próxima Revolução Industrial

Publicado em 14/abr/2015 5:00:00

Saiba como a Internet das Coisas vai impactar o processo de produção atual.

Indústria 4.0: a próxima Revolução Industrial

O mundo industrial está às vésperas de viver mais uma revolução. O digital começa a se unir à realidade, através da área da TI e da comunicação que trabalham juntas para transformar processos industriais tradicionais, alterando as várias áreas de produção. É a chamada Indústria 4.0.

 

O objetivo da Indústria 4.0, um ambicioso projeto alemão de alta tecnologia, é promover a automatização da manufatura. Com essa automatização, o governo alemão seria capaz de criar fábricas inteligentes (Smart Manufacturing) caracterizadas por uma intensa capacidade de adaptação, eficiência dos recursos e ergonomia, além da integração de clientes e parceiros em processos de negócios e de valor.

 

A Internet das Coisas, conceito criado pela Cisco e amplamente divulgado no Canal Comstor, é a base tecnológica deste modelo industrial, juntamente com sistemas que apresentam a Indústria 4.0 como a quarta revolução industrial que poderá ser realizada dentro de uma década, segundo especialistas.

 

EUA e Alemanha lideram a locomotiva industrial

 

Essa nova revolução industrial atualmente é liderada por 2 países:

 

• Estados Unidos: com uma iniciativa conhecida como Smart Manufacturing Leadership Coalition (SMLC), ou em português algo como Coalisão da Liderança para Manufatura Inteligente, que trabalha para construir a base para uma indústria informatizada. A SMLC é uma organização que une fornecedores, empresas de tecnologia, profissionais de produção, universidades, consórcios de fabricação, órgãos governamentais e laboratórios, com o objetivo de desenvolver - em um formato colaborativo - abordagens, normas, plataformas e infraestrutura compartilhada para facilitar a criação de uma indústria automatizada.

 

• Alemanha: com a Indústria 4.0 que, segundo o site do projeto, está no limiar da quarta revolução industrial, motivada pela Internet, onde os mundos virtual e real estão se aproximando para formar a Internet das Coisas. Para eles, a produção industrial do futuro será caracterizada pela forte individualização dos produtos sob as condições de uma produção altamente flexível, a integração extensiva dos clientes e parceiros de negócios, além de processos de valor agregado e da ligação da produção com serviços de alta qualidade para criar produtos híbridos.

A Cisco e a Internet de todas as coisas

Mas o que podemos esperar destes desenvolvimentos?

 

Este novo formato de indústria fundamentado na automatização dos processos aumentará substancialmente a complexidade tecnológica dos mesmos. E para conseguir delinear os processos e suas complexidades são necessárias ferramentas e softwares adequados para projetar e construir sistemas funcionais, além de uma infraestrutura capaz de atender estas novas demandas.

 

Outro ponto interessante da fábrica inteligente é o de que tudo está interligado por sensores RFID, como por exemplo, ferramentas, produtos e os meios de transporte escolhidos pelo departamento de logística. Por meio desses sensores, todos os objetos e departamentos irão se comunicar uns com os outros, com o objetivo claro de melhorar a produção global e otimizar sua entrega ao consumidor final. Isso significa que na “Smart Manufacturing”, o produto é uma parte ativa do processo de produção. Além disso, a fusão do mundo virtual com o real é uma realidade cada vez maior. Dessa forma, para que haja uma implantação significativa de sistemas físicos/cibernéticos, é necessária uma conexão de dados transparente em todas as fases do processo de produção.

 

Toda essa tecnologia envolvida para a próxima revolução industrial transformará completamente o ambiente da fábrica: haverá implicações significativas para a força de trabalho industrial, pois softwares estão impulsionando cada vez mais os avanços na produção. Isso significa que, atualmente, o mouse está substituindo a chave de fenda em muitos lugares no chão de fábrica, e o fará ainda mais nas próximas décadas.

 

Mercado de Trabalho na 4ª Revolução Industrial

 

Com essa substituição da chave de fenda pelo mouse, consequentemente os funcionários de hoje também serão substituídos ou passarão por um processo de atualização profissional, para se adequar ao novo modelo de produção industrial e às novas oportunidades de negócios.

 

A discussão sobre o assunto é longa e possui diversos pontos ainda não respondidos, mas a escassez de trabalhadores qualificados na área de TI - que será majoritamente responsável pela 4ª Revolução Industrial - já é uma realidade. Segundo o Departamento de Educação dos Estados Unidos, "60% dos novos empregos que vão surgir no século 21 exigirão habilidades possuídas por apenas 20% da força de trabalho atual".

 

Portanto, além do desenvolvimento de novas tecnologias, também será necessário um processo de adequação bastante claro dos profissionais dentro das indústrias e dentro do processo de produção como um todo, para que a interação entre pessoas e máquinas ocorra com benefícios para a sociedade.

 

Quer atualizar suas informações? Confira nosso infográfico "Indústria 4.0: a mais recente Revolução Industrial".

Categorias: Produtividade, Internet das Coisas, Indústria 4.0