<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
canal-comstor-logo
O blog dos negócios de TI.
Comstor Americas
  • Cibersegurança para pequenas empresas
  • Baixar E-book
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Marketplace
  • Partner Portal
  • Baixar agora
  • Cibersegurança para pequenas empresas
  • Baixar E-book
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • Baixar agora

O Big Data no varejo

Publicado em 13/mai/2016 5:00:00

78% das empresas de varejo que utilizam Big Data notam retorno um ROI positivo. Entenda por quê.

O Big Data no varejo

Antes da chegada do e-commerce, a forma mais comum de se adquirir produtos era buscá-los nas lojas. Com a evolução da Internet, novos players começaram a entrar no mercado e concorrer pelos mesmos centavos de um consumidor. A disputa começou a ficar acirrada a partir do momento em que o comprador ganhou confiança em fornecer seus dados pessoais e números do cartão de crédito para receber seus produtos em casa.

Hoje, é possível fazer compras da forma convencional, pela internet, por aplicativos, por vendedores porta a porta, em máquinas de auto atendimento, em redes sociais.  Com tantas possibilidades, as marcas precisam se diferenciar, e o grande desafio é ser a primeira opção do consumidor quando ele decidir por uma compra.

Neste sentido, o Big Data está sendo uma ferramenta essencial para os varejistas reagirem mais rápido às tendências de consumo, gerando informações importantes que definem as estratégias de compras, logística de estoque e distribuição. A empresa que conseguir avaliar feedbacks em redes sociais, capturar padrões de navegações na internet e mesmo acompanhar o comportamento de seus clientes, conseguem criar modelos preditivos de tendências, incluindo como e onde os consumidores vão comprar, o que os permite gerir os recursos para atender a demanda e definir campanhas de publicidade e marketing mais assertivas.

Uma cadeia de hotéis americana, com a avaliação de dados simples e gratuitos, conseguiu aumentar em 10% suas taxas de reserva. A empresa percebeu que quando um aeroporto próximo tinha vôos cancelados, significava que inúmeros passageiros precisariam de acomodação. Assim, a rede agora recolhe dados meteorológicos e informações de companhias aéreas sobre cancelamentos de vôos para prever a demanda. Na sequência, envia anúncios específicos do local nos sites de busca para que os potenciais clientes do hotel respondam através de seus celulares.

Outro exemplo é o Walmart, que utiliza o Big Data para rastrear e analisar milhões de transações por dia e as relaciona com os níveis de seus estoques e as atividades de seus concorrentes, o que lhe permite responder automaticamente às mudanças do mercado em tempo real, incluindo a capacidade de reduzir os preços quando a demanda cai.

As empresas que utilizam o Big Data tem notado retorno positivo em seus investimentos. Uma pesquisa realizada pelo The Economist Intelligence Unit em parceria com a Wipro, aponta que 78% dos entrevistados disseram perceber resultados diretos em seus negócios. Entretanto, uma das maiores dificuldades é encontrar entre milhões de dados, quais são relevantes para gerar informações estratégicas.

O principal deles, de acordo com o estudo, é conhecer a rotina de compras do consumidor. Saber por quais canais ele prefere ser atendido, o tipo de produtos que costuma buscar, por quais páginas costuma navegar antes de decidir pela compra e muitas vezes, por que abandona o carrinho, tanto em lojas virtuais como físicas. As informações precisam se completar e quanto mais precisas, mais fácil de se alcançar novamente esse cliente e atender as suas vontades. É uma tarefa árdua, mas possível de ser feita, uma vez que a tecnologia está disponível para auxiliar em todo processo.

É o caso de uma instituição educacional brasileira que com mais de 50 faculdades em cerca de 40 cidades, tinha como desafio acertar o público-alvo diminuindo custos com campanhas de marketing e publicidade. A tecnologia avalia o histórico de navegação na internet do jovem em idade para prestar vestibular, seu grau de abertura para receber mensagens e quais ações anteriores não tiveram efeito com ele. O resultado foi o aumento de 229% no número de inscrições no primeiro ano em que o sistema foi implantado.

Entre todas as empresas que se beneficiam do Big Data o consenso é que tornou-se vital a capacidade de responder com agilidade e de forma certeira ao mundo virtual. Quanto mais rápido responde e envolve o cliente, maior será o rendimento da empresa.

 

New Call-to-action

 

Fontes:

http://www.zdnet.com/article/big-data-in-retail/

http://cio.com.br/tecnologia/2014/08/21/big-data-e-as-oportunidades-para-o-varejo/

http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20140328/eles-estao-vigiando-voce/10248.shtml

 

Categorias: Big Data, Varejo