<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=633097343493783&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL SYNNEX COMSTOR
O blog dos negócios de TI.

O que é o Gerenciamento de Identidades e Acessos (IAM)?

Saiba como garantir a segurança da identidade digital e acesso à rede corporativa sem comprometer os negócios ou privacidade dos indivíduos.

 

O que é o Gerenciamento de Identidades e Acessos (IAM)?

Com a Transformação Digital, muitas mudanças começaram a acontecer nas organizações, que entraram em um processo de virtualização em busca da otimização de seu desempenho de mercado. Entre as mudanças que mais marcaram as empresas está a necessidade de garantir a segurança das identidades e acessos digitais para conquistar a confiança de clientes e colaboradores.

 

Garantir a segurança dos ativos corporativos e pessoais, então, é uma postura estratégica essencial e que deve estar refletida na cultura da organização, garantindo que todos participem da construção e manutenção dessa proteção de dados.

 

É possível adotar uma série de soluções para garantir a segurança das identidades digitais e acessos à rede, desde softwares até políticas a serem seguidas pelos usuários. Entre as possibilidades de proteção que as tecnologias oferecem está o IAM, sigla para Identity and Access Management, ou Gerenciamento de Identidade e Acesso.

 

Como se estrutura o Gerenciamento de Identidade e Acesso?

 

O Gerenciamento de Identidade e Acesso é um framework desenvolvido para processos de negócios que garante maior controle para o registro e segurança de identidades digitais ou eletrônicas. O controle oferecido por essa estrutura permite a integração entre tecnologias e políticas de suporte aos acessos, principalmente de dados críticos.

 

A proteção oferecida pelo IAM ocorre por meio de diferentes sistemas de autenticação: logon único, multifator e gestão de acesso, somados a um processo de governança de dados, que não permite que eles sejam compartilhados a menos que recebam autorização. Para que este gerenciamento seja eficiente, ele deve ser supervisionado e controlado, motivo pelo qual seus serviços de diretório são centralizados.

 

O que buscar nas tecnologias de gerenciamento de identidades e acessos?

 

O gerenciamento de identidades de acessos, como forma de garantir a segurança de dados de clientes e empresa, depende de alguns elementos para oferecer eficiência no alcance de seus objetivos.

 

Existem 3 pontos principais a serem observados no momento de buscar por soluções:

 

1. Simplicidade de processos

 

A segurança que se espera de um controle de identidades e acessos depende de processos simples de provisionamento de usuários e de procedimentos de configurações de conta.

Panorama da Cibersegurança Global: como proteger as redes corporativas de ameaças virtuais?

Reduzir o tempo e os passo necessários para cadastros de usuários e acessos permite que o fluxo de trabalho se torne mais direto. Isso garante uma melhora na segurança, pois reduz a possibilidade de que erros e abusos sejam cometidos, além de permitir a automatização de uma maior parcela dos processos.

 

A simplicidade deve ser garantida, também, na edição de diretrizes para acesso dos usuários por parte dos administradores, oferecendo maior controle.

 

2. Possibilidade de monitorar acessos

 

Sistemas de gerenciamento devem garantir que acessos e controles de identidade digital ocorram de maneira a equilibrar as avaliações que devem ser feitas pelos administradores com a automação de processos, mantendo a agilidade nas decisões.

 

Uma das principais maneiras de conseguir essa agilidade e automação sem que se perca a capacidade de monitorar os acessos é associando seus níveis aos cargos e hierarquias dentro da empresa. É possível usar como parâmetro, também, as unidades de negócio, regiões em que se encontram e diferentes outros elementos para estabelecer a relevância do acesso a determinadas informações.

 

Inserir a esse monitoramento níveis de revisões é essencial para que a segurança seja mantida, evitando que direitos de acesso sejam suprimidos ou acumulados erroneamente.

 

3. Flexibilidade de configuração

 

A possibilidade de criar grupos de privilégio, de editar configurações de acesso e de facilitar os processos de cadastros de usuários são elementos que demonstram a flexibilidade que se deve esperar de sistemas IAM.

 

A segurança, aqui, se torna ainda maior, uma vez que o sistema oferece uniformidade para os processos, estabelecendo processos de solicitação e aprovação para os usuários e de personalização de acesso de acordo com as necessidades.

 

Adaptar o acesso a identidade digital estabelecida para o usuário de maneira flexível permite que administradores consigam acompanhar os processos e, em caso de falhas na segurança, consigam identificar onde ela surgiu.

 

 

É importante destacar que buscar por sistemas de gerenciamento de identidade e acesso, mais do que contribuir com a proteção dos dados pessoais e corporativos existentes na rede empresarial, tem uma carga estratégica, também, frente aos clientes.

 

Com os diversos ciberataques vistos no ano de 2017, empresas que sofrem com hackers ou constantes falhas acabam por ter sua imagem de mercado marcada, perdendo a confiança de clientes e a capacidade de conquistar novos consumidores.

 

Assim, adotar um IAM eficiente garante a segurança de dados e um melhor posicionamento de mercado.

 

 

Posts relacionados

Escreva seu comentário